telemóveis

Jovens enviam mais de 100 mensagens por dia

Os jovens portugueses enviam mais de 100 mensagem, em média, por dia, através do telemóvel e fazem aproximadamente seis chamadas diárias, revela hoje um estudo do Instituto Superior Técnico (IST).

O estudo permitiu também concluir que o telemóvel “é quase omnipresente na vida dos jovens”, uma vez que menos de 0,5% não dispõe deste tipo de equipamento de comunicação, mas há já muitos que já têm mais de um aparelho.

O Instituto Superior Técnico (IST) e o Instituto de Telecomunicações (IT) elaboraram um estudo sobre os “Telemóveis e os jovens: utilizações e preocupações”, tendo sido inquiridos 2471 alunos de 40 estabelecimentos de ensino no ano letivo 2010/2011.

O trabalho permitiu também saber que a grande maioria dos jovens portugueses teve o telemóvel aos 10 anos, altura em que entraram no 2º ciclo do ensino básico e que, em média, ocupam, por dia, mais de 30 minutos a falar.

O estudo, realizado no âmbito do projeto monIT, teve como principais objetivos perceber qual a perspetiva dos jovens sobre a temática das radiações eletromagnéticas, nomeadamente a nível do seu grau de preocupação e eventuais medidas de precaução que tomam quando usam o telemóvel, assim como avaliar os níveis de utilização dos telemóveis por parte dos jovens, e a sua variação com a idade e outros fatores.

Mais de metade dos jovens alunos indicou preocupar-se com os possíveis efeitos das radiações eletromagnéticas, mas apenas 20% já procurou informação sobre o tema.

Contudo, uma percentagem inferior de jovens garantiu não ter tomado quaisquer medidas de precaução, segundo o estudo.

Por género, constatou-se que as raparigas fazem mais chamadas por telemóvel, sendo que a duração média destas, por dia, é superior em 20% à dos rapazes.

Sobre o envio de mensagens (SMS), a diferença entre géneros não chega a 1%, conclui o estudo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Jovens enviam mais de 100 mensagens por dia