Leya de Paes do Amaral despede até 45 colaboradores

Miguel Pais do Amaral
Miguel Pais do Amaral

O grupo Leya está a reduzir o número de colaboradores em Portugal, antecipando uma diminuição nas vendas na área das edições gerais.

As edições gerais não incluiem a área de edição escolar, nem de e-learning, unidades de negócio que não deverão ser afetadas por esta medida.

A decisão da Leya de efetuar uma “redução do seu plano editorial, com uma consequente redução de colaboradores nas áreas editorial, de marketing, comercial e serviço de apoio a clientes”, terá sido feita através de um despedimento coletivo que engloba até 45 colaboradores, noticia o Expresso. Em Portugal o grupo tem 519 funcionários.

Fonte oficial do grupo, quando contactada pelo Dinheiro Vivo, não confirma o número de colaboradores avançado pela imprensa, remetendo quaisquer comentários para o comunicado enviado pela empresa à Lusa.

Fontes ouvidas pelo Dinheiro Vivo confirmam que entre o lote de colaboradores abrangidos por este despedimento colectivo estão Maria Antónia Vasconcelos (editora da Estrela Polar), José Oliveira (editor da Caminho e Teorema) e Carvalho da Silva (gestor de marca da Dom Quixote).

No Brasil, país onde a Leya marca presença desde Setembro de 2009, o grupo editorial vai reforçar o investimento, bem como número de colaboradores dos atuais cerca de 600 para 700 pessoas. Neste mercado o grupo prevê este ano faturar “sensivelmente o mesmo que em Portugal, Angola e Moçambique no seu conjunto”.

Empurrado por este crescimento no exterior – “que inclui também a venda da plataforma de conteúdos digitais da Leya para diversos países” – o grupo, adianta a mesma nota, vai criar em Portugal “cerca de 80 novos postos de trabalho na área da produção de conteúdos digitais e na área de ensino a distância, onde a Leya opera com a marca UniLeya.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Leya de Paes do Amaral despede até 45 colaboradores