Buzz

Meo diz que quer ser marca de intervenção em campanha contra violência de género

Alexandre Fonseca, Presidente Executivo da Altice.

( Gustavo Bom / Global Imagens )
Alexandre Fonseca, Presidente Executivo da Altice. ( Gustavo Bom / Global Imagens )

A operadora diz que está apostada em ser “marca de intervenção”. Durante um mês, o logótipo Meo ganha o símbolo da mulher.

Diz-se ‘o’ Meo, mas por um mês a operadora do grupo Altice vai assumir o género feminino. A marca de telecomunicações lançou esta quarta-feira um novo logótipo, onde entra o símbolo de Vénus e que vai ser imagem ao longo de todo o mês de março. A ideia é assinalar não só o Dia Internacional da Mulher, mas posicionar-se também ao lado da causa do combate à violência doméstica.

A mensagem é passada em parceria com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV): “Não Fique à Espera”. E a ideia é dar a ouvir testemunhos de vítimas de violência doméstica numa mensagem que será toque de espera em todos os call centres dos serviços da operadora durante três dias – de 8 a 10 de março – e que poderá ser também descarregado a partir desta sexta-feira. Por cada vez que alguém o fizer, a Fundação Altice promete dar um euro à APAV.

“A alteração que nós decidimos este ano, em termos de comissão executiva, foi transformar a nossa marca comercial Meo também numa marca de causas. O que vai passar a acontecer é que, além do trabalho que a Fundação Altice tem vindo a desenvolver e vai continuar a desenvolver, a própria marca Meo vai passar a assumir, nas vezes que forem necessárias ao longo do ano, causas”, afirmou Alexandre Fonseca, o presidente executivo da Altice, na apresentação da iniciativa esta tarde. Segundo o responsável, “seguir-se-ão outras causas, igualmente importantes na vida da sociedade portuguesa”.

A Fundação Altice – antiga Fundação PT – surge agora redenominada, e orientada para uma maior associação à marca comercial Meo nas iniciativas de responsabilidade social. A Altice não revela no entanto os valores que pretende associar a esta missão. “Mais importante do que números, hoje, o que é importante é falar da necessidade de denunciar, de não ficar à espera”, defendeu Alexandre Fonseca.

A Associação de Apoio à Vítima, parceira desta iniciativa, é responsável pelo número de apoio 111 006, a linha gratuita e confidencial através das qual as vítimas de violência podem denunciar abusos e pedir ajuda. O atendimento funciona nos dias úteis, das 9h às 21h.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Créditos ruinosos da Caixa nas mãos do Ministério Público

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

(REUTERS/Rafael Marchante)

2019 a caminho de ser o melhor ano de sempre da Autoeuropa

Outros conteúdos GMG
Meo diz que quer ser marca de intervenção em campanha contra violência de género