Metro de Lisboa aceita campanhas “com raparigas semidespidas”. Se apelar a encontros sexuais, não

A publicidade da Manhunt
A publicidade da Manhunt

O Metro de Lisboa vetou a campanha da rede social para encontros dirigida ao segmento gay, Manhunt, por considerar que a mesma podia ferir “suscetibilidades”.

O Metro de Lisboa justifica a decisão. A empresa “não autorizou a campanha no âmbito de uma orientação genérica vigente na empresa de não aceitar publicidade que não se coadune com a imagem de um serviço público, que se dirige a uma multiplicidade de clientes, com sensibilidades várias, sendo passível de ferir suscetibilidades”, diz, fonte oficial. Isto, “independentemente da orientação sexual do respetivo público-alvo”, frisa a empresa

O Metro de Lisboa decide sobre quais as campanhas que podem ou não ferir suscetibilidades em “função da imagem e da mensagem”. Então campanhas de marcas de lingerie ou de revistas masculinas que apresentam raparigas semidespidas, atualmente presentes na rede, não poderão ferir igualmente suscetibilidades? O Metro de Lisboa responde. “As campanhas aceites e que refere ‘com raparigas semidespidas’ têm um teor que não apela a encontros sexuais e que, presentemente, está banalizado na comunicação publicitária, tendo sido considerado que não feririam suscetibilidades”, diz. E clarifica. “O que está em questão é o que se pretende publicitar e não a quem se dirige.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5D5BF6F7-69DF-4F33-9B33-A8FE9E3B1547

O fim dos concessionários? Na era digital, por cá ainda se compra o carro no stand

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

( Jorge Amaral/Global Imagens )

Preços das consultas da ADSE ainda em aberto

Outros conteúdos GMG
Metro de Lisboa aceita campanhas “com raparigas semidespidas”. Se apelar a encontros sexuais, não