Não quer o seu nome na pesquisa do Google? Peça para o retirar

Google está a tomar medidas forçadas
Google está a tomar medidas forçadas

É o primeiro resultado do braço de ferro entre a União Europeia e a Google. A empresa acaba de lançar um formulário através do qual os cidadãos europeus poderão requerer a retirada de informações suas dos resultados do motor de busca.

A medida segue-se à decisão do Tribunal de Justiçada União Europeia, que determinou o “direito a ser esquecido” para os cidadãos europeus. Os critérios para a remoção de links da pesquisa do Google são, segundo a determinação, quando os resultados forem “inadequados, irrelevantes ou já não relevantes, ou excessivos em
relação aos fins para os quais foram processados.”

Leia mais: Google obrigado a apagar informação que utilizadores considerarem prejudicial

A Google não refere qual o processo nem quanto tempo demorará a retirar os links. “Na implementação da presente decisão,
iremos avaliar cada pedido individual e tentar equilibrar os direitos
de privacidade do indivíduo com o direito do público de conhecer e
distribuir informações”, escreve a empresa. “Ao avaliar o seu pedido, iremos analisar se
os resultados incluem informações desatualizadas sobre si e se
existe um interesse público na informação, por exemplo,
informações acerca de fraudes financeiras, negligência
profissional, condenações penais ou conduta pública dos
funcionários do governo.”

Quem tiver um pedido de remoção deve preencher o formulário disponível aqui.

A Google irá reunir-se com com um comité de especialistas para decidir como irá lidar com a expectável avalanche de pedidos de remoção na União Europeia, que tem 500 milhões de cidadãos.

“Pretendemos trabalhar em conjunto com as
autoridades de proteção de dados e outras ao longo dos próximos
meses à medida que aperfeiçoamos a nossa abordagem”, acrescentou a empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Centeno diz que abrandamento da economia esconde muitas coisas boas

Cristina Casalinho, presidente do IGCP

Portugal paga menos de 2% na última emissão de dívida do ano

Terminal (Naviport) do Porto de Setúbal com milhares de carros da Autoeuropa que estão bloqueados esta semana com a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal.
(A-gosto.com/Global Imagens).

Autoeuropa tem 5000 carros parados no porto de Setúbal

Outros conteúdos GMG
Não quer o seu nome na pesquisa do Google? Peça para o retirar