realidade virtual

Bank of America diz que há possibilidades de estarmos na Matrix

Marc Zuckerberg entra no auditório principal do Mobile World Congress Barcelona enquanto a assistência está atenta a outra 'realidade'. Fotografia: DR
Marc Zuckerberg entra no auditório principal do Mobile World Congress Barcelona enquanto a assistência está atenta a outra 'realidade'. Fotografia: DR

Bank of America, em carta aos clientes, admite que entre 20% e 50% daquilo que vivemos no nosso dia-a-dia faz parte de um 'matrix'

Nem toda a realidade é real? O Bank of America publicou uma nota aos clientes esta terça-feira em que admite que entre 20% e 50% daquilo que vivemos no nosso dia-a-dia faz parte de um ‘matrix’. Isto é, o mundo que consideramos real pode não passar de uma simulação.

“Vários cientistas, filósofos e responsáveis de negócio acreditam que há entre 20% e 50% de probabilidade de os humanos já estarem a viver num mundo virtual simulado por computador”, refere a nota citada pelo portal Business Insider.

O gabinete de pesquisa deste banco norte-americana acrescenta que “é concebível que graças aos avanços na inteligência artificial, na realidade virtual e no poder da computação, os membros de futuras civilizações poderão decidir viver numa simulação dos seus antecessores”.

O conceito de realidade paralela tem crescido nos últimos anos graças ao surgimento de dispositivos de realidade virtual, como os Oculus Rift ou Gear VR, da Samsung. Permitem, por exemplo, ver um concerto em realidade 360 graus.

A realidade aumentada é outro dos fatores que contribuem para esta perceção. Basta recordar o fenómeno Pokémon Go, que conquistou milhões de utilizadores em todo o mundo ao mostrar pokémons no smartphone quando apontamos o ecrã para um determinado ponto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Angela Merkel e Donald Trump. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque

FMI corta crescimento da Alemanha, mas Espanha ainda compensa

Outros conteúdos GMG
Bank of America diz que há possibilidades de estarmos na Matrix