Nike diz-se “enganada” e deixa cair Lance Armstrong

Nike abandona patrocínio a Armstrong
Nike abandona patrocínio a Armstrong

A Nike deixou cair o patrocínio a Lance Armstrong. O ciclista vencedor de várias provas da Volta à França foi acusado pelas autoridades desportivas de doping.

“Devido às provas aparentemente inequívocas de que Lance Armstrong esteve envolvido em casos de doping, enganando a Nike por mais de uma década, é com grande tristeza que anunciamos ter colocado fim a este contrato”, disse a marca em comunicado.

“A Nike não tolera o uso de drogas ilegais que melhorem o desempenho desportivo”, continua a marca desportiva.

O atleta, sobrevivente de cancro, foi fundador da iniciativa Livestrong que colocou meio mundo a usar uma pulseira amarela. Apesar de deixar cair o patrocínio a Lance Armstrong a Nike garante que vai “continuar a apoiar as iniciativas da Livestrong, criada para unir, inspirar e dar força a pessoas com cancro”.

Também as marcas Anheuser-Busch e a empresa de óculos de sol Oakley mantêm o seu apoio à organização. Contudo, Lance Armstrong, pouco antes do comunicado da Nike anunciou que iria abandonar o cargo à frente da Livestrong.

A decisão da marca desportiva surgiu depois de na semana passada a Agência Anti-Doping norte-americana ter revelado um relatório sobre o alegado uso de Armstrong e a sua equipa entre 1999 e 2005, período em que ganhou por sete vezes consecutivas a Volta à França, considerada a prova rainha do ciclismo. Mas antes disso, em agosto, Armstrong já tinha anunciado que ia abandonar a luta nos tribunais sobre as acusações de doping de que era alvo pelas autoridades desportivas.

O ciclista pode perder até 50 milhões de dólares nos próximos cinco anos com o fim dos apoios das marcas como a Nike – com a qual mantinha um acordo há mais de uma década -, segundo um cálculo feito pela revista Forbes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

Nike diz-se “enganada” e deixa cair Lance Armstrong