Ciência

Quase ninguém consegue ver os 12 pontos. E há razões para isso

Imagem partilhada no Twitter lembra que o ser humano tem uma má visão perifética

“Há 12 pontos pretos nesta imagem. O seu cérebro não vai deixá-los ver todos de uma vez”. A publicação no Twitter de Will Kerslake, um especialista norte-americano de desenvolvimento de jogos, já foi partilhada mais de 20 mil vezes desde domingo.

O que se passa então com esta imagem? Há realmente 12 pontos pretos. É tudo uma questão de perceção, explica o cientista especialista neste tipo de ilusões Derek Arnold, da Universidade de Queensland, na Austrália.

Nesta ilusão ótica, o ponto preto no centro da imagem deve aparecer sempre. Mas este ponto parece estar intermitente. Isto acontece por nós, humanos, temos uma má visão periférica, assinala o portal The Verge. Estamos focados no que está no centro e tiramos algumas conclusões sobre o que está em redor.

Leia aqui: Esqueça o iPhone 7. Prepare-se para o bombástico 2017

Se os olhos ficarem fixos no ponto ao centro da imagem, o cérebro vai tentar ‘adivinhar’ o resto. Como na imagem há retas cinzentas sobre um fundo branco, o nosso cérebro fica a pensar que o resto desta imagem vai ser o mesmo padrão – alguns pontos parecem ‘desaparecer’ para o cérebro. “Como uma câmara que não está estável”, estes pontos aparecem e desaparecem quando os nossos olhos movem-se ao longo da imagem

Esta ilusão de ótica parece também mostrar quadrados brancos nas interceções das linhas. Isto é semelhante aos pontos que surgem no encontro das linhas da chamada “ilusão da grelha de Hermann”, criada em 1870. Os nossos olhos detetam os contrastes da imagem e a aplicam-nos às intersecções, procurando, de novo, padrões.

A versão original desta ilusão de ótica foi objetivo de um artigo científico no jornal Perception em 2000 e foi também partilhada pelo psicólogo japonês Akiyoshi Kitaoka.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Quase ninguém consegue ver os 12 pontos. E há razões para isso