Novo Banco. “Marca BES era ativo que era preciso preservar”

BES mudou. Agora é Novo Banco
BES mudou. Agora é Novo Banco

"Trata-se de uma decisão administrativa. Quem pensou no assunto não pensou minimamente na questão da marca. A marca BES é um ativo que era preciso preservar."

A opinião é de Pedro Celeste, especialista em marcas da consultora PC&A, reagindo ao anúncio do surgimento do Novo Banco, entidade que vai reunir os ativos não tóxicos do BES. A marca BES fica com os ativos tóxicos.

A marca Novo Banco, noticiou o Expresso, está registada desde 1989, pelo Millennium BCP. Contactada pelo Dinheiro Vivo, fonte oficial do Millennium bcp não quis comentar.

Leia mais aqui: Operação relâmpago: BES desaparece e nasce Novo Banco

“Se o que se quer valorizar é os bons ativos do BES, os clientes do BES e que a rede de balcões do BES continua a funcionar e que isso não coloca em causa a relação das pessoas com o BES, então deveria ser o banco onde estão os ativos tóxicos a ter um novo nome”, defende o especialista em marcas.

Leia também: Site do BES também já mudou: Novo Banco mais forte e mais seguro

A marca BES tinha boas referências e reputação no mercado, reforça Pedro Celeste. A mudança para um Novo Banco “não foi muito inteligente do ponto de vista de estratégia de marketing. Os clientes que não se indentificam, vão colocar as suas poupanças noutro lado qualquer e esses clientes não se recuperam”, diz.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trabalhadores da Autoeuropa pararam produção a 30 de agosto pela primeira vez na história da fábrica. Fotografia: JFS / Global Imagens

Autoeuropa. Guerra dos horários termina com pré-acordo

Armando Pereira, Cláudia Goya e Michel Combes

Altice “nega que Cláudia Goya esteja de saída”

Fotografia: Alvaro Isidoro/Global Imagens

Novo Banco com prejuízo de 419 milhões de euros até setembro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Novo Banco. “Marca BES era ativo que era preciso preservar”