Orkut: petição brasileira pede à Google que não feche a sua primeira rede social

A carregar player...

Até 2011, foi a rede social mais popular do Brasil. O Orkut gozou de um sucesso sem paralelo no país, algo que o manteve vivo mesmo com a ascensão mundial do Facebook. Agora que a Google anunciou que vai fechar a rede social em setembro, surgiu uma petição para impedir o encerramento.

“O Orkut, mais do que uma antiga rede social, possui um importante sistema de organização de fóruns nas chamadas comunidades. O layout permite a visualização rápida e precisa dos tópicos que compõe o fórum”, lê-se no texto da petição lançada no Brasil contra o fecho da rede. “O site abriga vários fóruns de nicho com várias postagens diárias sobre os mais variados assuntos.”

A iniciativa da Google era mais que previsível, tendo em conta os esforços que tem feito para impulsionar a utilização da sua rede Google+ – desde forçar a criação de uma conta para poder comentar no YouTube a criar uma conta automaticamente a todos os novos endereços de email.

A petição foi assinada por mais de 64 mil pessoas em dois dias e pede à Google que, se não for possível manter o Orkut vivo, “ao menos preserve a principal característica que mantém essa rede social viva até hoje: o modelo de organização de fóruns em comunidades. Algo que não existe no Google Plus, cujas as comunidades que existem se assemelham aos grupos do Facebook.” De que forma poderia a empresa fazer isso não é claro.

A Google anunciou que vai descontinuar o Orkut a 30 de setembro e que novas contas não poderão ser criadas a partir de agora. Apesar do sucesso do Facebook, só no ano passado foram criadas seis milhões de novas contas no Orkut.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Orkut: petição brasileira pede à Google que não feche a sua primeira rede social