Poesia numa hora destas?

Num mundo de imagens duras há lugar para poemas? Num território de guerrilhas, como as redes sociais, existem tréguas? Soterrados por fotografias que nos fazem perder o ar, como fazemos para respirar?

Poesia? Numa hora destas? (Como diria Veríssimo).

Para quem pensa ser impossível escrever palavras bonitas a partir de alguns dos momentos mais feios da história, lembro o poema “A Rosa de Hiroshima”, de Vinicius de Moraes:

“Pensem nas crianças

Mudas telepáticas

Pensem nas meninas

Cegas inexatas

Pensem nas mulheres

Rotas alteradas

Pensem nas feridas

Como rosas cálidas

Mas oh não se esqueçam

Da rosa da rosa

Da rosa de Hiroxima

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A antirrosa atómica

Sem cor sem perfume

Sem rosa sem nada”.

Também poderia chamar a presença do quadro “Guernica”, de Picasso. Ou do filme “O Grande Ditador”, de Chaplin.

Tragédias também fazem parte do combustível da arte. Isso não é bom, nem mau. É uma consequência direta daquilo a que chamamos “ser humano”. Daí ser natural a quantidade imensa de reinterpretações artísticas da mais que atual tragédia dos refugiados.

É certo que a quase omnipresença dessas imagens (incluindo as cruas fotografias jornalísticas) pode ferir algumas suscetibilidades. Mas o meio (as redes) tem como parte do seu contrato social a liberdade de cada um emitir (no caso, postar) o que quiser, sem intermediações. Exageros sempre vão existir. Temos que ser tolerantes, se quisermos ser tolerados. Simples assim.

E se me pergunta o que isto tem a ver com a publicidade (o foco desta coluna), digo que nada e tudo. A publicidade convive com o ambiente imagético da sociedade. Quando ele muda (o ambiente), a publicidade tem que mudar também.

Pode não ser na hora. Pode não ser no dia. Mas quando a sociedade perde a ingenuidade nos olhos a publicidade, cedo ou tarde, torna-se mais dura. Só não sei (aliás, duvido) se com isto se vai tornar melhor.

Ou como diria o meu Tio Olavo, a citar Drummond: “Chegou um tempo em que não adianta morrer/Chegou um tempo em que a vida é uma ordem/A vida apenas, sem mistificação”.

Storyteller e publicitário. Escreve todas as sextas-feiras

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Poesia numa hora destas?