smartphones

Queda da Huawei afeta mercado português de smartphones

Foto: Stringer/Reuters
Foto: Stringer/Reuters

Vice-presidente de Dispositivos da IDC EMEA, Francisco Jerónimo, considera que situação da marca chinesa vai tornar-se “dramática”

O mercado português de smartphones caiu 4,4% no terceiro trimestre de 2019, refletindo o impacto negativo da pressão sobre a Huawei, segunda marca mais vendida em Portugal. Segundo explicou ao Dinheiro Vivo o vice-presidente de Dispositivos da IDC EMEA, Francisco Jerónimo, “a queda das vendas da Huawei impactaram o mercado português de smartphones”, já que a marca sofreu uma redução de 2,4% nas vendas.

No total, a Huawei vendeu 186 mil smartphones em Portugal, obtendo 28,8% de quota de mercado. À sua frente ficou a líder de mercado Samsung, que obteve um crescimento expressivo de 15,7%: vendeu 215 mil unidades e garantiu 33% de quota de mercado.

“O bloqueio que os Estados Unidos colocaram à Huawei está a começar a expôr a gravidade da situação em que a empresa se encontra no segmento de smartphones”, afirmou Francisco Jerónimo. O problema levou a empresa a desenvolver o seu próprio sistema operativo, para contornar o fim da cooperação com a Google no Android, e o futuro da sua divisão de smartphones é incerto.

Ainda assim, Francisco Jerónimo ressalvou que a queda foi menor que o que se previa, porque os retalhistas e operadores fizeram grande esforço durante o verão para escoar as unidades que tinham em stock. “Com o imprevisível lançamento de novos produtos com os serviços da Google no futuro, a situação vai tornar-se dramática nos próximos trimestres para a marca chinesa”, explicou o analista.

No global, venderam-se em Portugal 647 mil smartphones, com a TCL a registar o maior crescimento – 35,1% para uma quota de 5,8%. A Xiaomi, em quinto lugar, caiu 0,2% e vendeu apenas 33 mil unidades.

Apple é terceira maior marca em Portugal

Ao contrário do que aconteceu no mercado global, a venda de iPhones em Portugal cresceu ligeiramente em unidades no trimestre, mais 0,6%. É o que a IDC chama de evolução estagnada, mas contrasta com a quebra de quase dois dígitos que o telefone registou em termos de receitas.

“As vendas caíram em valor, mas em termos de unidades a performance foi flat”, descreveu Francisco Jerónimo. “Os preços dos novos produtos mais atrativos e as boas vendas das versões anteriores do iPhone, em particular do iPhone XR, levaram a que as vendas em unidades não tivessem tido uma performance tão negativa”, concluiu.

Os portugueses compraram 67 mil iPhones neste período, o que deu à Apple uma quota de mercado de 10,4%. Em termos dos novos iPhones apresentados em setembro, estes representaram 40% do total de vendas, disse Francisco Jerónimo. O iPhone XR foi o mais vendido do trimestre, seguido do iPhone 11, iPhone 11 Pro Max, iPhone 11 Pro e iPhone 8 a fechar o top 5.

Mercado mundial recuperou

Ao fim de sete trimestres de quebras consecutivas, o mercado mundial de smartphones finalmente inverteu a tendência. As remessas de 358,3 milhões de dispositivos resultaram num pequeno crescimento de 0,8%, um sinal positivo que a IDC atribuiu ao bom desempenho dos mercados emergentes. A Huawei até duplicou as suas vendas na China, enquanto a Samsung colheu os benefícios da colocação da marca rival na lista negra dos Estados Unidos e outros países.

Em termos de quotas, a Samsung lidera com 21,8%, seguida da Huawei com 18,6% e da Apple com 13%. A Xiaomi está em quarto com 9,1% e a Oppo fecha o top 5 com 8,7%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Queda da Huawei afeta mercado português de smartphones