Quer reciclar o guarda-fatos? Use o Instagram

Veja o vídeo e seja original
Veja o vídeo e seja original

Não é muito comum que os fotógrafos peguem nos seus trabalhos para os transformarem em peças completamente alternativas, mas a realidade é que com as redes sociais todos podem ser fotógrafos e todos podem transformar as fotografias em peças de arte…e em peças de roupa.

Se quiser que as suas fotografias se tornem arte, o Lumi Process ajuda-o. É que a empresa Lumi desenvolveu um mecanismo simples e amigo do ambiente que usa a luz para fixar imagens em peças de vestuário.

A empresa criou o Inkodye, um produto à base de água, que é condutor e por isso passa as imagens fotográficas para o tecido apenas com a ajuda da luz solar. Como a marca explica, o objetivo é “retirar as fotografias do quarto escuro e trazê-las para o sol”.

Com tantas fotografias tiradas diariamente no Instagram ou Facebook, todos os fotógrafos amadores se podem tornar em designers de roupa.

O método é simples (veja o vídeo): Basta tirar uma fotografia e imprimi-la em papel fotográfico na versão negativa – a Lumi tem uma aplicação para que os utilizadores de iPhone possam transformar as fotos em negativo. Depois, é só utilizar os líquidos da Inkodye: escolha um tecido, passe a tinta, coloque a imagem negativa em cima, e deixe ao sol para que a imagem passe para a sua peça de roupa.

No final lave a peça com o detergente Lumi, para neutralizar o efeito da tinta e tenha uma peça nova. O efeito é permanente e não precisa de ter mais nenhum tipo de cuidado extra.

O Indokye está disponível no site da Lumi. Existem várias embalagens disponíveis a partir de 12 dólares (veja aqui) mas se preferir pode comprar um kit Lumi a partir de 36 dólares.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Quer reciclar o guarda-fatos? Use o Instagram