resultados trimestrais

Resultados desastrosos afundam Snapchat

A entrada em bolsa da Snap foi a maior deste o IPO do Twitter
A entrada em bolsa da Snap foi a maior deste o IPO do Twitter

Após divulgação de resultados, as ações da criadora do Snapchat caíram 20% nas trocas fora de horas

Havia muita expectativa em relação ao primeiro trimestre fiscal da Snap, criadora do Snapchat, depois da dispersão em bolsa. Praticamente tudo foi uma deceção: os prejuízos dispararam, o Snapchat cresceu menos que o esperado e a concorrência feroz do Facebook e Instagram fez estragos. O mercado reagiu com fúria aos resultados desastrosos, afundando as ações da empresa em 20% nas trocas fora de horas.

O mais notório foi o agravamento brutal das perdas, que ultrapassaram os 2,2 mil milhões de dólares (contra 104 milhões no mesmo período do ano passado). A empresa justificou os números com obrigações relacionadas com a dispersão em bolsa, em fevereiro.

No entanto, as más notícias foram gerais. A base de utilizadores ativos diários atingiu os 166 milhões, um crescimento de 36% em relação ao primeiro trimestre de 2016 e de apenas 5% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Foi menos que o esperado pelo mercado e denota um abrandamento forte em relação ao ano passado, em que o crescimento em utilizadores diários superava os 50% por trimestre.

As receitas quase quadruplicaram para 149 milhões de dólares, mas os custos também – 163 milhões. Não só a empresa está a investir em mais produtos e melhorias técnicas, mas também aumentou bastante os seus quadros, passando de cerca de 1860 para 2360 empregados. Grande parte das receitas vieram da publicidade, salvo 8,3 milhões de dólares, que foram gerados pelos óculos de gravação Spectacles.

Na conferência com analistas que se seguiu à apresentação de resultados, o fundador e CEO Evan Spiegel referiu que este trimestre foi dedicado a melhorar a qualidade da aplicação do Snapchat, em especial para o sistema operativo Android. De acordo com o executivo, o menor crescimento de utilizadores no final de 2016 deveu-se a vários problemas com a aplicação para aquele que é o sistema mais utilizado do mercado. Os utilizadores do Snapchat em Android representam 30% do total.

De qualquer forma, Spiegel também disse que não acredita num dos conceitos mais abusados no mundo das startups, “growth hacking” – um crescimento exponencial que rapidamente dá massa crítica mas nem sempre é sustentável ou garantia de sucesso no longo prazo. A sua visão, afirmou, é a de crescer através da remoção de barreiras ao processo criativo dos utilizadores.

Um dos momentos mais escaldantes da conversa com analistas aconteceu quando Evan Spiegel foi questionado sobre as funcionalidades do Snapchat que o Facebook tem copiado ultimamente. O executivo respondeu com ironia e uma gargalhada: “Só porque o Yahoo tem uma barra de pesquisa, isso não faz deles o Google.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Resultados desastrosos afundam Snapchat