Vendas de smartphones

Sem 5G nem blockbusters, iOS afunda 14,8% em 2019

iOS-12-apple-music-search-960x540_c

Novo relatório da IDC indica que domínio do Android vai alargar-se para 87% do mercado mundial este ano

A já pequena fatia que a Apple detém no mercado mundial de smartphones vai encolher ainda mais até ao final do ano, quando os dispositivos iOS representarem apenas 13% das remessas totais. É uma quebra de 14,8% face ao ano anterior, com apenas 177,9 milhões de iPhones vendidos, segundo o novo relatório da consultora IDC sobre o mercado de smartphones.

Em contraste, os modelos que usam Android vão atingir um volume de 1,193 mil milhões de unidades, uma diferença esmagadora que alargará o domínio do sistema operativo da Google de 85,1% para 87% em 2019. Tudo isto num ano em que as vendas vão continuar a cair pelo terceiro ano consecutivo, desta feita 2,2% para 1,371 mil milhões de smartphones. Mas é a Apple que está a sofrer mais com a contração.

Há aqui uma grande condicionante nas vendas, ligada à incerteza económica que varre o globo e a instabilidade em várias partes do mundo. A IDC destaca o impacto da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, com a imposição de tarifas de parte a parte que poderá ter efeitos desastrosos nos produtos tecnológicos, de um modo geral. No entanto, a consultora diz que “chegou um raio de esperança” ao mercado, na forma do 5G.

De facto, segundo os analistas da IDC, o tombo do iOS deve-se não só à maturidade do mercado mas também à ausência de iPhones 5G. Embora a próxima geração móvel ainda esteja nas fases iniciais em vários mercados e aguarde inclusive leilões de espetro na Europa, os consumidores querem investir em smartphones preparados para o futuro. E não se espera que a Apple embarque na nova geração até ao final de 2020.

“A antecipação do 5G, começando com smartphones, tem vindo a adensar-se há algum tempo, mas os desafios dentro do mercado de smartphones nos últimos três anos ampliaram essa antecipação”, explica Ryan Reith, vice-presidente da unidade de dispositivos móveis da IDC. “Não achamos que o 5G será o salvador dos smartphones, mas vê-mo-lo como uma evolução crítica na tecnologia móvel”, sublinhou.

A consultora espera que 2020 seja o ano da explosão do 5G, com a remessa de 123,5 milhões de smartphones preparados para a tecnologia, ou 8,9% do total. Esta percentagem crescerá para 28,1% em 2023, segundo as contas do relatório.

Entretanto, o mercado voltará a um crescimento tímido no próximo ano, cerca de 1,6%, depois de cair entre 2017 e 2019. Sangeetika Srivastava, analista sénior da IDC, explica que os consumidores continuam a manter os seus telefones por mais tempo que anteriormente, o que dificulta o aumento das vendas. No entanto, “expectativas de promoções e ofertas agressivas na segunda metade de 2019, com o intuito de escoar inventário e entusiasmar os consumidores quanto à próxima onda de tecnologia móvel, deverá redirecionar o mercado para o crescimento.”

Os modelos Android serão os maiores beneficiários, sendo expectável um aumento do preço médio de venda de 254 para 263 dólares. Quanto à Apple, que esta semana introduz os seus novos iPhones, deverá beneficiar no próximo ano da introdução de modelos 5G. Segundo a IDC, a marca “terá uma vantagem sobre os outros fabricantes, devido a uma melhor compreensão das condições do mercado 5G para um lançamento muito mais planeado.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

Sem 5G nem blockbusters, iOS afunda 14,8% em 2019