publicidade

Super Bock. E os (seus) amigos têm direitos?

A carregar player...

A marca da Unicer dá seguimento ao Manifesto da Amizade e arranca com nova campanha com criatividade de O Escritório.

Ter tempo para os amigos é uma ambição de muitos, mas nem sempre se consegue. Mas se eles tivessem direitos, seria mais fácil? Direitos como aparecer lá em casa sem avisar, a ter a nossa total atenção e não a dividir com o último post no Facebook que é tão difícil ignorar… Será que tudo seria mais fácil e vivido sem culpas?

A Super Bock parece acreditar que sim e, com a ajuda de O Escritório, dá seguimento à campanha Manifesto da Amizade e colocou no papel, melhor em rótulos temporários da cerveja os Direitos do Amigo. Qual magna carta dos direitos da amizade fica tudo preto-no-branco. E no digital, no site Direitos do Amigo, os consumidores podem ainda dar o seu contributo, deixando sugestões de direitos, garantindo que está mesmo mais tempo com os amigos.

“O ano passado, quando iniciámos o nosso compromisso em defesa da Amizade, as pessoas envolveram-se de tal forma nas atividades da Super Bock que ficou mais que comprovada a necessidade que existe em estarmos com os nossos amigos mais tempo e com mais qualidade. Este ano, vamos dar continuidade a essa vontade espontânea dos portugueses, ajudando-os a estar mais vezes juntos, com legitimidade, e será materializado através da criação dos Direitos do Amigo”, justifica Nuno Bernardo, administrador de Marketing da Unicer, citado em nota enviada às redações.

Com criatividade de O Escritório, a campanha tem presença em televisão, outdoor e digital. A produção do filme é da Playground e a realização de Cristiana Miranda. A pós-produção é da Ingrime, a sonorização é da Ameba.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Centeno mantém crescimento de 1,9% este ano. Acelera para 2% no próximo

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

desemprego Marcos Borga Lusa

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

Outros conteúdos GMG
Super Bock. E os (seus) amigos têm direitos?