pagamentos eletrónicos

Swatch e Visa assinam parceria para “pagamentos a pulso”

Swatch garante que a pilha destes relógios terá a mesma duração. Fotografia: Swatch
Swatch garante que a pilha destes relógios terá a mesma duração. Fotografia: Swatch

Pagar as contas a pulso vai ser possível já no próximo ano graças à parceria entre a Swatch e a Visa para os mercados dos EUA, Suíça e Brasil, anunciaram as duas empresas esta segunda-feira através de um comunicado.

Através da linha Swatch Bellamy, com relógios parecidos com os modelos tradicionais, os clientes com cartão Visa nestes três mercados vão poder fazer pagamentos sem fios graças à tecnologia NFC, que utiliza ondas de rádio de alta frequência para a comunicação com outros dispositivos até 10 cm de distância. Estes relógios, com este chip, podem fazer pagamentos sem gastar energia. “Os clientes podem esperar a habitual durabilidade da pilha de um Swatch”, assegura a fabricante de relógios suíça.

A marca justifica também a escolha do apelido Bellamy para esta gama de relógios por causa do escritor norte-americano Edward Bellamy, que num livro publicado em 1888 referia-se a um mundo em que o dinheiro seria substituído pelos cartões de crédito.

A Swatch faz também uma brincadeira com o apelido do escritor: “também é verdade que ‘bel ami’ significa ‘bom amigo’ em francês, e o novo relógio será, sem dúvida, um bom amigo do seu utilizador”, antecipa a marca.

A empresa suíça não indica, para já, quais serão os mecanismos usados para o cliente ficar protegido caso o relógio seja roubado.

Este relógio já é comercializado na China desde outubro, graças a uma parceria com a Union Pay, por 580 yuan (86 euros), um preço inferior ao de dispositivos como, por exemplo, o Apple Watch e o Samsung Gear.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Swatch e Visa assinam parceria para “pagamentos a pulso”