Google

Google ataca Apple e Amazon com novo hardware

A nova família de produtos "Made by Google"
A nova família de produtos "Made by Google"

No evento "Made by Google", a fabricante também introduziu um novo portátil híbrido a 999 dólares

A Google levou tudo à frente com o seu muito antecipado evento de hardware “Made by Google”, em São Francisco. Houve espaço para tudo e para atacar todos, da Apple à Amazon e até às suas parceiras Android, como a Samsung.

De uma assentada só, a tecnológica apresentou os seus dois novos smartphones, Pixel 2 e Pixel 2 XL, o portátil híbrido Pixelbook, os altifalantes inteligentes Google Home Mini e Home Max, os auscultadores wireless Pixel Buds, a mini câmara Google Clips, a nova versão dos óculos de realidade virtual Daydream View e ainda uma caneta digital, Pixelbook Pen.

A incursão da Google em novas categorias de produtos, aliada à compra de parte da equipa de smartphones da HTC, mostra a sua intenção de se tornar numa fabricante de hardware capaz de concorrer com as principais marcas topo de gama. A estratégia é a da Apple: controlar o hardware e o software para fornecer a melhor integração possível e uma experiência de utilização superior. No entanto, a Google adiciona uma terceira camada, que considera diferenciá-la da principal rival.

“Este é um momento único para juntar inteligência artificial, software e hardware”, anunciou o CEO da Google, Sundar Pichai. O executivo disse que a abordagem da Google é diferente – algo que todos os executivos que passaram pelo palco referiram – e que a inteligência artificial da tecnológica não tem paralelo.

É o que dizem também analistas e estudos comparativos. Apesar de ser neófita em questões de hardware (esta equipa “Made by Google” está a trabalhar nisto há um ano), a Google tem recursos de inteligência artificial sem paralelo na indústria. Juntando o Google Assistant ao hardware desenhado de raiz para encarnar a sua visão do software, a proposta da empresa distingue-se de todas as outras fabricantes – e aproxima-se muito mais do que a Apple tem feito este tempo todo. Só que a inteligência artificial da Apple ainda está na infância, comparada com a da Google.

Isto é visível em todos os produtos apresentados. Os mais esperados eram os dois novos smartphones, Pixel 2 e Pixel 2 XL. Nenhum estará à venda diretamente em Portugal, mas o 2 XL chegará às lojas espanholas no final do ano, o que poderá levar muitos consumidores a dar um salto para lá da fronteira. Os preços serão premium – 649 dólares antes de impostos para o 2 e 849 dólares para o 2 XL; seguramente custarão mais de 700 euros na Europa.

Mais inteligência

“E se os smartphones se tornassem mais inteligentes e simples”, começou por perguntar Mário Queiroz, vice presidente de gestão de produto na Google. A chave aqui é o Assistant, que vai tornar a interação com o smartphone muito mais inteligente. Por exemplo, o utilizador pode criar “rotinas” que desencadeiam uma série de ações com apenas algumas palavras. Imagine que ao fim do dia entra no carro e diz “Ok Google, vamos para casa.” O Assistant imediatamente traça a melhor rota via Google Maps, avisa quanto tempo irá demorar e vai buscar o podcast favorito que tinha ficado a meio. De manhã, “Ok Google, vamos arranjar-nos” leva o Assistant a indicar quais as reuniões marcadas, a que horas deve sair de casa para evitar o trânsito e começar a tocar a playlist favorita. É tudo desenhado para ser “radicalmente útil” para o utilizador.

Estas funcionalidades são transversais a todos os produtos. Os novos auscultadores Bluetooth Pixel Buds, que vão custar 159 dólares e são semelhantes a marcas como Jaybird e Bose, acionam o Assistant com um simples toque do dedo. Para quê? Por exemplo, para fazer tradução do discurso em tempo real.

“Criámos um portfólio unificado de produtos que foram desenhados para si e juntos funcionam na perfeição”, resumiu o chefe de hardware Rick Osterloh. O responsável garantiu que a Google está a “redesenhar o hardware de dentro para fora” com a intenção de o tornar mais útil para os utilizadores.

Eis tudo o que a Google apresentou:

Smartphones

  • Pixel 2
  • Pixel 2 com ecrã de 5 polegadas e Pixel 2 XL com 6 polegadas. As funcionalidades são iguais em ambos. Destaque para as capacidades da câmara, que permite tirar fotos de qualidade profissional e fotos semelhantes às “Live Photos” da Apple. São otimizados para realidade virtual e aumentada, não têm entrada de áudio, vêm com sensor de impressão digital na traseira e carregam 7 horas de bateria em 15 minutos. Trarão “Android Oreo puro” e chegam no final de outubro a Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, Índia e Alemanha. No final do ano, o Pixel 2 XL estará também em Espanha, Itália e Singapura. Qual o racional por detrás deste mapa de lançamento? Ninguém sabe. Preços: 649/849 dólares antes de impostos.

Altifalantes para casa

Google Home Mini

O altifalante que a Google lançou no ano passado, Home, passa a ter duas adições: Home Mini e Home Max. É uma competição desenfreada com os Echo da Amazon. O Mini vem em três cores e custará apenas 49 dólares (sendo oferecido a quem comprar um Pixel nos principais mercados). O Max é um sistema desenhado a pensar em música de elevada qualidade, custará 399 dólares e chega em dezembro, com um ano de oferta da subscrição do serviço YouTube Red. O assistente digital inteligente, Google Assistant, é o centro desta oferta (tal como a Alexa no Amazon Echo e a Siri no futuro HomePod da Apple).

Portátil híbrido

Pixelbook

Este não é só um portátil que dobra como um tablet; a Google diz que é um 4-em-1. O Pixelbook “re-imagina a experiência do portátil”, disse Matt Vokoun. Hardware de topo (Intel core i5 ou i7, até 16GB de RAM, 512 GB SSD, ecrã tátil Quad HD LCD de 12,3 polegadas), a inteligência do Google Assistant, o melhor do Chrome OS e todas as apps de smartphone favoritas. Exemplo? Snapchat. A Google está a trabalhar com a Snap para criar uma versão exclusiva para o grande ecrã do Pixelbook. A bateria dura 10 horas e carrega 2 horas em 15 minutos.

Tem um design muito leve (um quilo e 10 mm de espessura) e traz funcionalidades úteis, como segurança multinível automática e ligação automática ao WiFi do smartphone Pixel, sem ser necessário configurar o hotspot pessoal. Este será de acesso mais restrito: apenas à venda nos EUA, Reino Unido e Canadá, a 31 de outubro, com o preço elevado de 999 dólares antes de impostos. Parece ser mais um posicionamento que um produto para grandes volumes de vendas.

Caneta inteligente

Pixelbook Pen

A Pixelbook Pen é um acessório para o portátil híbrido, semelhante às da Microsoft e da Apple. Custará 99 dólares e foi desenhada com a Wacom, a fabricante dos Cintiq. Uma funcionalidade interessante é que basta desenhar um círculo em torno de uma foto ou palavra e o Google Assistant imediatamente fornece informação sobre o que foi destacado e oferece uma série de ações. É a “mais rápida” do mercado, com 2000 pontos de sensibilidade à pressão.

Auscultadores wireless

Pixel Buds

Não são bem sem fios, como os AirPods da Apple, mas conectam-se via Bluetooth. Os Pixel Buds são um acessório áudio inteligente, com o Google Assistant como principal diferenciador. O acesso instantâneo ao assistente inteligente permite, como foi demonstrado em palco, ter uma conversa com alguém em línguas diferentes, com tradução simultânea. Vão custar 159 dólares.

 

Óculos de realidade virtual

DayDream View

Nada de muito novo por aqui: o Daydream View recebe novas cores e tem agora 250 títulos de realidade virtual disponíveis, enquanto no ano passado tinha apenas 25. Terá mais conteúdos premium em breve, incluindo YouTube VR. Segundo Juston Payne, “são os melhores óculos de realidade virtual móveis do mercado”, algo que a Samsung e o seu Gear VR certamente não gostará de ouvir. Custam 99 dólares.

 

Mini câmara

Google Clips

Por esta menos gente esperava. A Google Clips é uma mini câmara que serve para captar os momentos espontâneos mais valiosos da vida quotidiana. Parece algo irrelevante, mas tem contornos muito interessantes, porque é a inteligência artificial que tem por trás que lhe permite chegar àquele objetivo. Como? É treinada para reconhecer os membros da família e captar imagens (fotos e vídeo sem som) de forma automática. Ou seja, as pessoas podem concentrar-se nos momentos em que estão juntas em vez de andarem de câmara ou smartphone na mão. O preço é de 249 dólares.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens)

Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”

Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Bitcoins ou libras de ouro? O que é mais fácil trocar?

Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Fitch dá maior subida de rating de sempre a Portugal e coloca país no grupo da Itália

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Google ataca Apple e Amazon com novo hardware