Viana do Castelo vai ter um “hotel do chocolate”

Anúncio feito pelo Presidente da Câmara
Anúncio feito pelo Presidente da Câmara

A antiga fábrica de chocolates Avianense, fundada em Viana do Castelo há quase um século, mas entretanto abandonada, vai ser transformada, em 2013, num hotel com 18 quartos e centro interpretativo dedicado ao chocolate.

O anúncio foi feito hoje pelo presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, confirmando a intenção dos promotores em avançar com a obra já em 2013.

“Foi essa a garantia que nos transmitiram. Inclusive já garantiram apoio de fundos comunitários na área do Turismo”, explicou o autarca à agência Lusa.

O processo de licenciamento do empreendimento deu entrada nos serviços da autarquia a 17 de abril de 2012 e também já foi aprovado.

O objetivo dos promotores consiste na instalação, na antiga fábrica, de uma unidade hoteleira, com restaurante e um Centro Interpretativo do Chocolate, através de um investimento de um milhão de euros.

Segundo a autarquia, o conceito da proposta apresentada pelos promotores – que já adquiriram o edifício – assenta num “hotel temático do chocolate”.

“Será também uma obra muito importante para a reabilitação daquela zona da cidade e insere-se no projeto de regeneração urbana que temos em curso”, sublinhou José Maria Costa.

Além do alojamento, com 18 quartos, o empreendimento vai conservar a histórica fachada do edifício principal e terá ainda uma área de restauração com capacidade para 50 pessoas.

Fundada em 1914, a fábrica de chocolates Avianense foi declarada falida, pelo Tribunal de Viana do Castelo, a 24 de setembro de 2004, lançando para o desemprego 48 trabalhadores.

Em causa estavam dívidas avaliadas em 2,155 milhões de euros e só o Estado era o maior credor da fábrica, reclamando uma dívida de 1,142 milhões de euros respeitantes ao IRS, IVA e à Segurança Social.

A marca Avianense, bem como os equipamentos e a frota da empresa, foram arrematados, por cerca de 150 mil euros, por um empresário que em agosto de 2005 retomou o fabrico dos chocolates em Durrães, Barcelos, aproveitando as instalações de uma fábrica de confeções, também sua propriedade.

O “Imperador”, um bombom feito com uma amêndoa torrada nacional e chocolate de leite, é o grande “Ex Libris” da marca e o produto mais vendido.

A reconversão da antiga fábrica de chocolates em unidade hoteleira é uma solução apoiada pela autarquia e, garante José Maria Costa, representa o “culminar de uma vontade do executivo quanto à refuncionalização” daquela antiga unidade, além de servir o propósito de revitalização do centro histórico.

“Contribuindo para a preservação da memória histórica, comercial e industrial da cidade”, admitiu.

A instalação deste hotel vai ainda beneficiar do regime de isenção de algumas taxas municipais, aprovado pela autarquia para investimentos turísticos no concelho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fiadores tendem a ser idosos

Pensões sobem em janeiro entre 0,8% e 1,5%, com mínimo de 6 euros

Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Valor máximo do subsídio de desemprego sobe 16 euros em 2019

José Neves, CEO da Farfetch. Fotografia:  REUTERS/Toby Melville

Farfetch compra empresa de calçado desportivo por 250 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Viana do Castelo vai ter um “hotel do chocolate”