Wearables

Wearables de pulso disparam 29% com Xiaomi à frente da Apple

Xiaomi Mi Band
Xiaomi

Vendas de pulseiras de fitness e relógios inteligentes estão em alta e a marca chinesa foi a que mais vendeu no segundo trimestre

A utilização de pulseiras e relógios para monitorizar o exercício físico, ver notificações e fazer pagamentos tornou-se mais popular no segundo trimestre de 2019, com uma subida de 28,8% das vendas para 34,2 milhões de unidades. Os dados acabados de publicar pela consultora IDC mostram que a Xiaomi é a marca mais popular neste mercado de wearables de pulso, com 17,3% de quota e um total de 5,9 milhões de unidades vendidas.

A razão do sucesso é a pulseira Mi Band 4, cujo preço baixo (59 euros na Mi Store Portugal) garantiu um grande impulso nas vendas. O crescimento homólogo da Xiaomi foi de 42,2%, muito superior aos 7% de incremento registados pela Apple com o Watch.

“A empresa foca-se quase exclusivamente nas pulseiras e tem usado o baixo custo para atrair novos utilizadores para o seu ecossistema de produtos”, analisa a IDC. “A China continua a ser o mercado mais ativo para os produtos da Xiaomi, embora a expansão para fora seja uma prioridade.”

A segunda posição da Apple não quer dizer, no entanto, que a marca tenha tido um mau desempenho no trimestre. Com 5,1 milhões de Apple Watches vendidos e 14,8% de quota, a empresa continua a liderar o segmento de relógios inteligentes e está à frente em termos de volume de negócios gerados – porque o preço médio do seu relógio é muito elevado, 448 dólares no trimestre. No evento desta terça-feira, foi anunciado o novo modelo, Series 5, e a IDC acredita que isso “deverá ajudar a empresa a manter a sua posição de liderança no mercado de relógios inteligentes.” A consultora prevê que um aumento das remessas do Watch na ordem dos 10,8% no final de 2019 e uma quota de 38,9%, na liderança do mercado.

Curiosamente, os maiores índices de crescimento foram obtidos pela Samsung e pela Huawei, que tiveram um trimestre estelar.

Porque é que o mercado sobe?

Este vai ser o terceiro ano consecutivo de quebra das vendas de smartphones, mas nos wearables de pulso o sentido é inverso. Segundo o analista Jitesh Ubrani, tal deve-se a uma aposta ganha na monitorização da condição física. “A saúde está agora na linha da frente destes dispositivos, uma vez que as marcas começaram a oferecer dados concretos e medidas prescritivas para os utilizadores”, explicou. E além da saúde, uma das funcionalidades mais atrativas é a capacidade de fazer pagamentos, sendo que dois dos wearables de pulso mais usados já incluem NFC, como é o caso do Apple Watch. Muitos dos outros usam códigos QR para completar as transações.

A melhoria destes produtos justifica que se tenham tornado mais apelativos, mas o analista Ramon T. Llamas também indica que uma parte importante é a experiência. “Olhar para dados como notificações, estatísticas de fitness, e até olhar para as horas são os casos de uso mais populares, mas poder interagir com o dispositivo através de assistentes inteligentes, navegar facilmente com a moldura inteligente dos relógios Samsung, ou ligar-se a aplicações e dispositivos domésticos eleva a utilidade dos wearables de pulso”, analisou. Colocando em cima disto um mercado de aplicações específicas para smartwatches, “o valor destes dispositivos aumenta ainda mais.”

Samsung e Huawei são as que mais crescem

A Huawei é a marca que se segue a fechar o pódio, com uma quota de 14,1% e 4,8 milhões de unidades vendidas. É um desempenho fulgurante da marca chinesa, uma vez que a subida homóloga foi de 175,7%. No entanto, avisa a IDC, os problemas no negócio dos smartphones poderá pôr este segmento em causa, já que há uma integração muito próxima entre os dispositivos. Isso explica que a Huawei tenha investido mais no mercado chinês que na expansão internacional no trimestre, ao contrário do que vinha acontecendo.

Em termos de taxas de crescimento, a Samsung foi a que mais se destacou, com uma subida de 195,1% para 3,2 milhões de unidades. Ainda assim, está em quinto, atrás da Fitbit – a pioneira deste mercado. A IDC comenta que a Samsung cresceu muito porque as novas pulseiras Galaxy Fit foram bem recebidas e o relógio Galaxy Watch é popular. O mesmo não sucedeu com a Fitbit, cujo segmento de relógios retrocedeu porque o novo Versa Lite não teve sucesso. No total, a marca original de pulseiras de fitness cresceu 32% para 3,5 milhões de unidades, graças maioritariamente às novas pulseiras Inspire.

Feitas as contas para 2019, o mercado deverá atingir 152,7 milhões de unidades vendidas. Num horizonte a quatro anos, nota a IDC, o crescimento será alavancado pelos relógios inteligentes, já que as pulseiras vão estagnar ou mesmo cair em popularidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Wearables de pulso disparam 29% com Xiaomi à frente da Apple