inteligência artificial

Wozniak: “O sistema de condução assistida da Tesla é menos seguro”

Steve Wozniak na AI Deep Dive/Insider Images
Steve Wozniak na AI Deep Dive/Insider Images

"The Woz" disse que, em situações imprevisíveis, o seu Tesla começa a conduzir como se estivesse bêbedo

O cofundador da Apple Steve Wozniak não acredita que a inteligência dos carros Tesla seja tão segura quanto a construtora diz. “O sistema de condução assistida da Tesla penso que é menos seguro e que eles escondem as estatísticas”, afirmou. Nos casos de acidentes, questionou, “quais são os números reais?”

A conversa era sobre inteligência artificial e o facto de os carros autónomos serem chamados a tomarem decisões pelos humanos, algo que é supostamente mais seguro e promovido pelos proponentes como uma tecnologia que irá reduzir a mortalidade nas estradas.

“Três vezes menos acidentes? Não acredito nisso.” Wozniak até é um defensor da Tesla de Elon Musk, que acredita ser a próxima empresa com uma ideia revolucionária como a Apple teve com o computador pessoal. Mas no caso da condução assistida, tem muitas dúvidas. “Se aquilo está em auto-piloto e algo acontece a pessoa trava e desativa”, aventou, sugerindo que é por isso que as estatísticas não responsabilizam a condução assistida pelos acidentes. “Há uma manipulação das palavras.” Woz acredita que as estatísticas oficiais não são reais. “Não acredito. Vejo muitas situações perigosas com o meu próprio Tesla.”

Wozniak, que passou de cético a entusiasta em relação à inteligência artificial, revelou que o seu carro “começa a agir como se estivesse bêbedo” em certas situações, se houver obras ou não perceber o que se está a passar.

“Estamos muito longe do nível 5 de automação, em que o carro se dirige sozinho”, explicou. “A Tesla está para aí no nível 2. Não é inteligência, é inteligência simulada, não consegue lidar com o mundo real da forma como os humanos conseguem.”

“The Woz” falava durante a conferência AI Deep Dive, organizada pela empresa portuguesa Feedzai. O visionário discutia com a jornalista Deirdre Bosa o futuro da inteligência artificial e a sua ameaça, ou não, contra a humanidade.

“Se houver inteligência artificial real, o carro vai-se proteger a si próprio, não os humanos”, disse Woz perante uma audiência surpreendida. “É uma questão que não vale a pena perguntar”, respondeu, quando Deirdre perguntou o que ele pensava sobre o facto de os carros autónomos poderem vir a decidir sobre a vida do condutor ou dos peões, por exemplo. “É filosófica. Já vivemos com essas decisões, como humanos.”

No entanto, Woz acredita que a tecnologia deve ser desenvolvida. “Somos impelidos a mudar o mundo”, resumiu. Por outro lado, acha que é impossível regredir a evolução galopante da inteligência artificial. “Como é que vamos pará-la?”

A conferência AI Deep Dive foi organizada pela Feedzai em Las Vegas durante o evento financeiro Money 20/20.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens)

Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”

O ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva (C), ladeado por Ana Teresa Lehmann, secretária de Estado da Indústria (D), e Miguel Cabrita (E), secretário de Estado do Emprego, fala aos jornalistas no final da reunião com administração e Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa para discutirem um modelo de trabalho para o próximo ano, no Ministério do Trabalho e da Segurança Social, em Lisboa, 15 de dezembro ded 2017.  Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autoeuropa. Governo dá luz verde a creches para destravar diálogo

Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Fitch dá maior subida de rating de sempre a Portugal e coloca país no grupo da Itália

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Wozniak: “O sistema de condução assistida da Tesla é menos seguro”