Zon e Optimus preparam fusão

Paulo Azevedo
Paulo Azevedo

Isabel dos Santos e Paulo Azevedo chegaram finalmente a um
entendimento para uma fusão entre a Zon e a Optimus. O processo
ainda está no início e terá, inevitavelmente, de passar pelos
conselhos de administração das duas empresas. Ontem, em comunicado
enviado à CMVM ao fim da tarde, a Sonaecom anunciou isto mesmo:
chegou a acordo com os dois veículos detidos por Isabel dos Santos –
Jaedium e Kento Holding -, que detém hoje 28,8% do capital da Zon.

“A Sonaecom e a Kento/Jadeium acordaram na constituição de
um veículo detido em partes iguais que, condicionadamente à
concretização da fusão, reunirá uma parcela substancial da
participação da primeira na Optimus SGPS e a totalidade da
participação da Kento/Jadeium na Zon.” Isabel dos Santos e
Paulo Azevedo ficarão cada um com 50% deste veículo que será o
acionista de referência da empresa que resultar da fusão.

No comunicado, a Sonaecom adverte que não pretende substituir-se
aos órgãos competentes da Zon e da Optimus SGPS (administrações e
assembleias gerais), e que o processo ficará ainda dependente da
autorização da Autoridade da Concorrência. Ou seja, tudo somado
deverão passar pelos menos seis meses, talvez mais, até ao assunto
ficar encerrado. A nova empresa, a preços de mercado, está avaliada
em 1,5 mil milhões de euros, segundo cálculos do Dinheiro Vivo.

Depois do acordo entre Isabel dos Santos e Paulo Azevedo, falta
agora garantir o acordo dos restantes acionistas da Zon, já que o
objetivo deste movimento é dispensar o lançamento de uma OPA.
Ontem, o BES, segundo maior acionista da Zon, não comentou este
negócio, mas Ricardo Salgado já deu a entender que não se deverá
opor, embora a decisão final não esteja tomada.

“Já não era sem tempo. É uma boa notícia para o final do
ano”, foi esta a reação de Joe Berardo, acionista da Zon
(4,34%). Desde que, alerta, “seja ao justo valor para todos e
não haja conflitos de interesses entre os acionistas”. O
empresário reforça que, para o negócio avançar, Isabel dos Santos
terá de contar com o apoio de “todos os acionistas”, pois
apesar de maior acionista não tem a maioria de capital. “Acho
que é uma boa notícia para o mundo da comunicação e não só”,
diz Berardo.

Já Rafael Mora, administrador da Ongoing (3,29% da Zon), prefere,
para já, não comentar esta informação. “Preferimos guardar o
nosso comentário para depois de ser conhecida a posição do
conselho de administração da Zon.”

No comunicado, a Sonaecom acrescenta que as duas empresas entendem
que a fusão entre a Zon e a Optimus permitirá obter uma otimização
de recursos significativa e uma maior eficiência e rendibilidade
“que servirão de alavanca para o reforço da capacidade de
investimento da entidade resultante”, seja “em novos
mercados [sobretudo em países emergentes, como a Venezuela], seja em
novos produtos, com maior qualidade e competitividade.” Esta
fusão, a acontecer, tem outra particularidade. Isabel dos Santos é
sócia da PT na Unitel Angola, onde a Portugal Telecom tem 25% do
capital, embora em Portugal a empresa que resultar da fusão
(Zon/Optimus) terá como concorrente precisamente as empresas do
universo PT, TMN e Meo.

À margem desta fusão, Isabel dos Santos e Paulo Azevedo têm
estado a preparar a entrada da Sonae em Angola. Em parceria com a
Condis (controlada pela empresária), o Continente prepara a abertura
de quatro supermercados em Luanda, estando prevista a abertura da
primeira loja em 2013. Igualmente pensada está a expansão à
província de Huambo, dependendo do sucesso da operação na capital.

Numa primeira fase, o projeto da Sonae e da Condis (que detém 51%
da joint venture) poderá representar um investimento de 103 milhões
de dólares. Para além da venda ao público, o projeto incorpora
também um clube de produtores angolanos. Esta terá sido uma das
condições nas discussões com Luanda.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

Marcelo. “Não se pode esperar um, dois, três meses por respostas europeias”

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

140 mortos e 6408 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Zon e Optimus preparam fusão