Programa

UTAD pronta a declarar guerra ao insucesso escolar dos bolseiros

Na génese do abandono e insucesso escolar não estão só problemas financeiros. A UTAD vai descobrir as razões e combatê-las com um programa de integração inovador. FOTO: ADELINO MEIRELES / GI
Na génese do abandono e insucesso escolar não estão só problemas financeiros. A UTAD vai descobrir as razões e combatê-las com um programa de integração inovador. FOTO: ADELINO MEIRELES / GI

Universidade nortenha tem projeto-piloto inédito para reduzir o abandono e insucesso dos seus alunos com bolsas 5% por ano, já a partir de 2018/19

São jovens, juntam às dificuldades económicas outras pessoais ou familiares e, muitas vezes, até o choque da deslocalização, pelo que o curso começa a correr mal logo no 1.º ano. Este é um padrão que o Observatório do Abandono Escolar da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) já conseguiu detetar. É para combater este quadro que esta instituição nortenha vai pôr a funcionar, já a partir do próximo ano letivo, um projeto inédito de integração e acompanhamento do aluno bolseiro. A UTAD serve, assim, de “tubo de ensaio” para um programa de inovação social que, se for bem-sucedido, poderá tornar-se uma política de educação a nível nacional, creem os responsáveis.

“Este projeto denomina-se Programa Integrado de Desenvolvimento das Competências do Aluno e pretende promover o sucesso educativo dos estudantes bolseiros da ação social na UTAD”, explicou Elsa Justino, docente da universidade e administradora dos respetivos Serviços de Ação Social. Segundo a responsável, o objetivo é combater o “chumbo” ou a desistência dos estudantes economicamente carenciados que conseguiram obter bolsas de estudo.

Explicando um pouco melhor, Elsa Justino acrescenta que a UTAD vai “testar uma metodologia de trabalho que, se for bem-sucedida, poderá ter impacto na política pública”. Isto é, se as metas definidas forem atingidas, a Secretaria-Geral da Educação e Ciência poderá mesmo “criar outros programas de política pública direcionados para esta população específica”, acredita a responsável.

E quais são essas metas? “Temos como objetivo combater em 5% por ano o insucesso e o abandono escolar nesta população, relativamente ao ano de referência que é o ano passado”, elucidou Elsa Justino. Para as cumprir, a docente considera que é imperativo fazer um diagnóstico precoce, de forma a descobrir as situações de risco de abandono ou insucesso, e depois fazer um acompanhamento mais proativo do aluno.

É aqui que entra a vertente inovadora do programa, afirma. Referindo o Observatório do Abandono Escolar que existe na UTAD há 3 anos, a responsável pelos serviços sociais desta universidade conta que até agora o que se fazia era recolher dados, organizá-los estatisticamente e proceder a inquéritos telefónicos ao aluno para tentar perceber as razões do risco de abandono ou dos maus resultados.

Com o novo programa, a UTAD propõe-se a fazer, juntamente com os seus parceiros – neste caso a Cáritas de Vila Real – um acompanhamento do aluno no terreno. “Nós já temos um diagnóstico bastante fino de todas essas situações e, portanto, o que nos propomos a fazer – e que não fazíamos, porque só recorríamos a entrevistas telefónicas – é uma visita à família e produzir um diagnóstico social”, explicou Elsa Justino. E a seguir, acrescentou, “a UTAD vai ter, internamente, um programa de apoio tutorial, um programa de soft skills (portanto, de aprendizagem de competências pessoais) que permitirá ao aluno ter ferramentas para combater o abandono escolar ou o insucesso”.

Este é também o ponto do programa mais elogiado pelo reitor da UTAD. “Trata-se de um projeto que marca a diferença pelo caráter inovador”, afirmou António Fontainhas Fernandes. É que, além de “detetar precocemente o aluno em risco de abandono ou insucesso, depois, conjuntamente com a Cáritas, vai ver qual é o contexto familiar ou tentar perceber as razões por trás disso, que não sejam somente a parte económica. Depois vai tomar medidas, seja através de um programa de orientação tutorial, com professores, seja através da componente financeira”, explicou o reitor, concluindo: “Acho que seria o único a nível nacional – eu não conheço nenhum outro projeto do género”.

50 mil euros em bolsas, por ano

Para já, a UTAD vai recorrer ao Banco Santander para financiar o projeto, mas esta terça-feira, 17 de abril, avançou com uma candidatura ao Fundo de Inovação Social do programa Portugal 20/20. “É uma candidatura ao programa Portugal Inovação Social, feita por três entidades: pelo Santander, que é a entidade financiadora; pela Cáritas de Vila Real, em pareceria com a UTAD e os seus Serviços de Ação Social; e pela Secretaria-Geral da Ciência e da Educação do Ministério da Educação”, avançou Elsa Justino.

Segundo a responsável, o projeto “não é muito caro, porque usa muitos recursos internos”, mas o montante que o Banco Santander vai financiar, em bolsas de estudo, são 50 mil euros/ano, disse. Um valor que “será pago pelo Portugal Inovação Social ao Santander caso a UTAD e a Cáritas tenham sucesso na implementação do programa”, esclareceu.

“Há aqui, no fundo, um investidor social – que é o Banco Santander –, que está a arriscar no nosso programa para que nós possamos provar, arriscando todos, se é possível ou não ter medidas de política pública que alterem ou combatam este problema”, afirmou Elsa Justino.

Para a administradora dos Serviços de Ação Social da UTAD, um aluno que perde uma bolsa de estudo “é um desperdício”, em termos de política pública. E isso pode ser minimizado, garante. No caso da UTAD, “nós sabemos que, se um aluno do 1.º ano, no final do 1.º semestre, não tiver feito nenhuma unidade curricular não é elegível no ano letivo a seguir para a bolsa de estudo, porque o regulamento diz que ele, no mínimo, tem de fazer 60% das unidades curriculares”. Ou seja, reitera Elsa Justino, “nós já sabemos, com quase um ano de antecedência, quem já não é elegível no ano a seguir”.

O que leva à conclusão de que, muitas vezes, não bastam mais bolsas ou apoios sociais, garante o reitor Fontainhas Fernandes. Para o responsável máximo da UTAD, é preciso perceber que há situações que a bolsa não resolve, como problemas familiares graves ou algo tão simples como a deslocalização. Algo que, no caso da UTAD, é importante, diz, “porque o número de estudantes deslocados andará entre os 60% e os 70%”.

Daí que seja necessário, afirmou, “outro tipo de intervenção”, que é o que a UTAD se propõe fazer já a partir do ano letivo que se inicia em setembro de 2018. “Aqui nós temos de ter, enquanto instituição pública, uma outra missão que é tentar evitar o abandono”, afirmou o reitor Fontainhas Fernandes.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
UTAD pronta a declarar guerra ao insucesso escolar dos bolseiros