entrevista

“A inovação social, mesmo disruptiva, deve ser preocupação das universidades”

João Sàágua é reitor da Universidade Nova de Lisboa e vai ser moderador  de um dos debates do IV Encontro de Reitores de Salamanca. FOTO: Reinaldo Rodrigues / Global Imagens
João Sàágua é reitor da Universidade Nova de Lisboa e vai ser moderador de um dos debates do IV Encontro de Reitores de Salamanca. FOTO: Reinaldo Rodrigues / Global Imagens

Vai a Salamanca, a 21 e 22 de maio, a um encontro que o juntará a outros 599 reitores, onde espera aprender e contribuir para a universidade do futuro

Afirma que a Universidade Nova de Lisboa, de que é reitor, tem uma estratégia de Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) para os próximos 4 anos que a vai deixar na vanguarda da Academia portuguesa. João Sáàgua foi convidado a moderar o debate do IV Encontro de Reitores de Salamanca, nos próximos dias 21 e 22 de maio, que versa precisamente sobre a IDI e o que está no horizonte das universidades para 2030. Em entrevista, o reitor desta instituição lisboeta de ensino superior fala do papel das universidades neste campo, em inovação social disruptiva e na responsabilidade ética da investigação académica.

Tendo em atenção o tema da sessão que vai coordenar – “IDI [Investigação, Desenvolvimento e Inovação] no horizonte 2030: talento, responsabilidade ética e tecnologias disruptivas” –, quais são os desafios que põem às universidades neste campo?
Atualmente, os maiores fatores de disrupção são a biotecnologia (pense-se, por exemplo, em tratamento personalizado de alguns cancros) e a inteligência artificial (pense-se, por exemplo, em veículos seguros sem condutor). Dado que várias das consequências, boas e más, de uma inovação disruptiva não podem ser completamente calculadas (isso é parte do ‘risco’ disruptivo), é quase sempre bem mais difícil fazer uma análise custo / benefício das primeiras do que das segundas.

Como podem as universidades contribuir, no seu entender, para a verdadeira descoberta/produção de talentos e conhecimento neste horizonte?
As universidades, sendo lugares de produção de conhecimento que não visam de imediato o lucro, terão certamente equipas altamente qualificadas, ligadas a redes internacionais de conhecimento e com alguma disponibilidade para ‘arriscar’ mais do que os Departamentos de Inovação e Desenvolvimento das empresas. Por outro lado, as melhores empresas possuem tecnologia e infraestruturas que são o verdadeiro ‘estado da arte’ no seu ‘core business’. Deste modo, a melhor solução está, as mais das vezes, em fazer parcerias universidade / empresa, criando agendas colaborativas nas quais os ‘problemas’ da agenda são colocados pelas empresas e o desenvolvimento de soluções é levado a cabo por equipas mistas (da universidade e da empresa), podendo por vezes originar também uma forma específica e interessante de start-ups.

Se a inovação é disruptiva, deverá ser prosseguida pelas universidades?
A inovação social, mesmo disruptiva, também deve ser uma preocupação das universidades; neste caso, as parcerias a fazer serão das universidades com sectores sociais (ONGs, autarquias, instituições com finalidades sociais diversas). O modo de funcionamento destas parcerias será análogo ao que descrevi para as empresas, com as devidas adaptações. A integração bem-sucedida de refugiados, por exemplo, é um problema que carece possivelmente de uma solução que seja uma inovação social disruptiva (a ‘versão incremental’ não tem funcionado a nível da UE). Ponto importante para as universidades e para a sociedade: nunca esquecer a importância da investigação fundamental (sem aplicação imediata), sem investigação fundamental de hoje, não terá a inovação disruptiva daqui a 10 ou 20 anos.

Onde é que entra a responsabilidade ética, neste quadro?
A parte ética entra, por exemplo, na escolha da agenda que é proposta às universidades (estou certo que não se aceitaria um projeto para desenvolver novas armas de destruição maciça), ou nas metodologias para o desenvolvimento de soluções (estou certo que não se fariam experiências de grande risco em seres humanos). O problema ético aumentado e muito pela sua complexidade: como é que sabe ou garante, por exemplo, que uma certa inovação usada para um fim bom, não vai ser também usada também para as piores coisas?

Que planos tem a Universidade Nova de Lisboa para este campo da IDI futura?
A Universidade Nova de Lisboa assumiu, precisamente, como principal eixo estratégico para os próximos 4 anos atingir nesta área um desenvolvimento muito superior ao da situação atual a nível nacional. Este é o nosso compromisso com a sociedade portuguesa. É um duplo compromisso: contribuir para o desenvolvimento da economia e da atividade exportadora das empresas e contribuir para uma maior harmonia social e para o minorar de desigualdades de todo o tipo. A nossa recente participação em várias candidaturas a Laboratórios Colaborativos (os CoLab) é disso um primeiro exemplo. Muitos mais se seguirão, e em várias outras áreas. Este compromisso envolve: a abordagem de vários desafios que são intrinsecamente interdisciplinares, o que leva a aumentar o diálogo entre as várias Escolas da Nova; a intensificação da nossa já muito grande participação em redes internacionais como demonstram os recentes resultados do ranking de Leiden em que somos a instituição nacional com o maior número de publicações com colaboração internacional; e o diálogo com as empresas e os diversos sectores sociais. Estamos a atuar nesses três campos. Como disse: a criação de valor económico e social através da inovação é onde nos queremos focar.

O que espera do Encontro de Reitores de Salamanca, que vai reunir mais de 600 responsáveis máximos de instituições do Ensino superior do espaço ibero-americano?
Espero que seja diversificado e rico. Espero aprender várias coisas. Aprende-se sempre, quando se está em contacto com colegas com preocupações e valores semelhantes e oriundos de realidades diferentes da nossa. Espero também que a minha própria experiência seja útil para alguém.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
“A inovação social, mesmo disruptiva, deve ser preocupação das universidades”