Inovação

EIA volta a acelerar para o futuro a partir de 15 de julho em Cascais

A EIA chegou a Portugal pela primeira vez no ano passado. Já então as 50 equipas instalaram-se no Centro de Congressos do Estoril. FOTO: Jorge Amaral / Global Imagens
A EIA chegou a Portugal pela primeira vez no ano passado. Já então as 50 equipas instalaram-se no Centro de Congressos do Estoril. FOTO: Jorge Amaral / Global Imagens

Academia Europeia de Inovação este ano desafia 500 estudantes à criação, em 15 dias, de negócios ligados à robótica e Inteligência Artificial

O futuro volta a estar na mira da Academia Europeia de Inovação (EIA, na sigla inglesa), que arranca já este domingo, 15 de julho, e decorre até ao dia 3 de agosto, no Centro de Congressos do Estoril. A robótica e Inteligência Artificial são os temas da 2ª EIA realizada em Portugal, que desta vez ocorre em maior escala: com mais alunos e países participantes. Durante 15 dias, 500 estudantes de todo o mundo vão responder ao desafio de transformarem numa empresa (start-up) viável uma ideia de negócio ligada àquelas duas tecnologias. Em representação de 20 universidades e politécnicos portugueses, estarão 120 alunos, uma participação 1,5 vezes superior à de 2017.

No total, a EIA 2018 vai acolher 500 estudantes vindos de 75 países, o que é também uma upgrade face aos 400 participantes de 63 nacionalidades do ano passado.

Entre as instituições portuguesas, as grandes recordistas de participação são a Universidade do Porto e o Instituto Superior Técnico: cada uma delas leva mais de 20 alunos para competirem diretamente com jovens de UC Berkeley e U. Michigan, entre outras instituições de grande prestígio internacional.

De Berkeley também, assim como da Universidade de Stanford e da Google e outras empresas de Silicon Valley, é de onde vêm os 60 mentores: especialistas que vão coordenar e orientar as equipas no seu trabalho. E metodologia inovadora utilizada foi também por eles desenvolvida.

Trata-se da forma mais rápida, em todo o mundo, para se testar uma ideia de negócio, na medida em que no período de três semanas os participantes seguem todos os passos para criarem a sua empresa – desde a ideia ao lançamento. Em Portugal, o Santander Universidades e a Câmara Municipal de Cascais são os principais parceiros da EIA.

Marcos Soares Ribeiro, do Santander Universidades, tem expectativas elevadas para a EIA 2018. FOTO: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

Marcos Soares Ribeiro, do Santander Universidades, tem expectativas elevadas para a EIA 2018. FOTO: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

“Vai ser uma experiência bastante profunda para os estudantes que vão participar”, garantiu Marcos Soares Ribeiro, diretor-coordenador do Santander Universidades. O Banco Santander Portugal foi uma das entidades responsáveis por trazer a EIA para Portugal e só à sua conta financia este ano as bolsas para 50 estudantes participarem no evento. As restantes serão comparticipadas pelas instituições do ensino superior parceiras do Santander Universidades.

“Aposta no espírito empreendedor”

“Para nós faz todo o sentido o apoio, pela segunda vez, à maior academia de inovação digital da Europa, a EIA, porque vai ao encontro daquilo em que acreditamos, ou seja, uma aposta clara de motivação do espírito empreendedor dos nossos estudantes universitários portugueses”, afirma Marcos Soares Ribeiro.

E a forma como os trabalhos são desenvolvidos nesta academia de verão também constituem uma mais-valia, considera o responsável. “Acreditamos que o tipo de metodologia da EIA e que a exposição dos estudantes portugueses a estas duas temáticas – a robótica e a Inteligência Artificial – é particularmente relevante e diferenciador na sociedade atual”, disse Soares Ribeiro.

Segundo o responsável do Santander Universidades, os que em 2017 passaram pela EIA, quer alunos, quer, indiretamente, professores, dizem que a experiência foi única. “O feedback foi excelente, por isso é que tivemos tanto empenho em aumentar a escala aqui em Portugal”, explicou Marcos Soares Ribeiro.

E, para este ano, o otimismo mantém-se. “As minhas expectativas para a EIA 2018 são as mais elevadas, para os estudantes e para o impacto que terão a curto prazo no país”, concluiu o diretor-coordenador do Santander Universidades.

 

BERKELEY FOI ÀS AULAS NA UNI. PORTO Ainda antes da “abertura” da Academia de Inovação, 100 estudantes da prestigiada Universidade de Berkeley, nos EUA, tiveram uma semana de aulas na Universidade do Porto. Acompanhados pelos professores e responsáveis da EIA, os alunos de Berkeley que estarão na academia foram recebidos segunda-feira, 9 de julho, na Faculdade de Ciências da U.Porto e logo iniciaram as aulas. Até sexta, foram 4 dias de aulas – 5ª foi dia livre para os estudantes – em várias faculdades. A U. Porto está entre as melhores do mundo em várias áreas de estudo, sendo a 135ª melhor nas engenharias e tecnologia, segundo o QS World University Rankings.

BERKELEY FOI ÀS AULAS NA UNI. PORTO
Ainda antes da “abertura” da Academia de Inovação, 100 estudantes da prestigiada Universidade de Berkeley, nos EUA, tiveram uma semana de aulas na Universidade do Porto. Acompanhados pelos professores e responsáveis da EIA, os alunos de Berkeley que estarão na academia foram recebidos segunda-feira, 9 de julho, na Faculdade de Ciências da U.Porto e logo iniciaram as aulas. Até sexta, foram 4 dias de aulas – 5ª foi dia livre para os estudantes – em várias faculdades. A U. Porto está entre as melhores do mundo em várias áreas de estudo, sendo a 135ª melhor nas engenharias e tecnologia, segundo o QS World University Rankings.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, e Mário Centeno, das Finanças. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Salário mínimo português é o nono mais baixo da Europa em poder de compra

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu.  (EPA/RONALD WITTEK)

Compras do BCE chegam ao fim. Portugal ficou no fundo da lista

casas de lisboa

Moody’s. Há risco de irrealismo no preço das casas em Lisboa e Porto

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
EIA volta a acelerar para o futuro a partir de 15 de julho em Cascais