Investigação

Vencedor do Prémio Colaborativo 2018 anunciado segunda-feira

Foto: Global Imagens
Foto: Global Imagens

Projeto eleito procura solução para uma doença envolvendo investigadores de três áreas diferentes. Troféu será anunciado no 1º Dia da Ciência da Nova

É já na próxima segunda-feira, 10 de setembro, que vai ser revelado o projeto vencedor do Prémio de Investigação Colaborativa Santander-Universidade Nova deste ano. O troféu, que vai já na sua 11ª edição, visa estimular projetos que procurem resolver problemas científicos e sociais através da partilha de conhecimentos entre várias áreas. Este ano, o prémio vai ser anunciado durante aquele que será o 1º Dia da Ciência da Nova, que reunirá entre as 10h da manhã e as 17h30 professores, alunos e convidados para dar a conhecer o que de melhor se faz nesta universidade no campo da investigação.

“A filosofia que está por trás deste prémio e que foi muito acarinhada há 11 anos pelo Banco Santander é a seguinte: é obrigatório que o prémio seja atribuído a um projeto que ligue duas equipas de duas unidades orgânicas da Universidade Nova de Lisboa”, explicou Elvira Fortunato, vice-reitora desta instituição e coordenadora da Área de Investigação.

Aprofundando um pouco mais o conceito, a responsável esclareceu que a Universidade Nova tem nove escolas e que, para que sejam elegíveis para este prémio, os projetos candidatos têm de ser apresentados, no mínimo, por duas equipas de duas escolas. Este ano, o vencedor foi um pouco mais além.

“Sem querer revelar quem é o vencedor, que só será anunciado segunda-feira, posso adiantar que é um projeto que tenta resolver um problema de uma doença e que envolve três unidades da Universidade Nova – a Faculdade de Ciências Médicas, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e a Faculdade de Economia –, o que não é muito normal”, avançou Elvira Fortunato. Antes deste, só houve mais um: o projeto vencedor do Prémio de Investigação Colaborativa 2017, que estudou o discurso dos políticos e o seu impacto no cidadão comum e que envolveu também três “escolas” Nova.

Elvira Fortunato é vice-reitora da Universidade Nova de Lisboa e coordenadora da Área de Investigação. FOTO: UNL

Elvira Fortunato é vice-reitora da Universidade Nova de Lisboa e coordenadora da Área de Investigação. FOTO: UNL

Para a coordenadora da Área de Investigação da Nova o critério da colaboração exigido pelo prémio faz todo o sentido. “Hoje, cada vez mais, a inovação surge do cruzamento de áreas. Então, é extremamente relevante e importante que existam, por exemplo, pessoas da área das tecnologias a falar com a área da Medicina, e desta com a área da Economia e assim por diante”, disse. “A ideia é exatamente fomentar a partilha de conhecimento entre áreas diferentes, porque é precisamente daí que surge a inovação”, afirmou.

A outra vertente deste Prémio Colaborativo a que Elvira Fortunato atribui grande importância é o facto de ele funcionar como rampa de lançamento para uma investigação mais vasta. “No fundo, é uma semente que fomenta a criação de uma equipa multidisciplinar que, depois, se poderá projetar e apresentar essa ideia mais maturada a projetos europeus ou mesmo a projetos nacionais lançados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia”, explicou.

Este ano, o prémio vai ser revelado no 1º Dia da Ciência da Universidade Nova (veja o programa aqui). “É a primeira vez que a Nova tem esta iniciativa. Vamos promover durante um dia a ciência de toda a Nova”, diz Elvira Fortunato.

O que se pretende atingir é, mais uma vez, a partilha de conhecimento. “A Nova tem 43 centros de investigação e muitos dos investigadores desses centros não se conhecem, nem conhecem as áreas científicas”, contou a coordenadora. “Aquilo que pretendemos é promover uma partilha, é promover sinergias entre os investigadores, exatamente porque a Universidade Nova está localizada em zonas físicas diferentes – tem vários campus – e, mais uma vez, porque a inovação surge do cruzamento de áreas.”

O Prémio Colaborativo Santander-Nova implica um valor pecuniário de 25 mil euros que o banco atribui para ajudar ao financiamento da investigação galardoada. O montante é apenas uma curta percentagem do que será necessário, mas é um bom início, garante a responsável. “Aqui o estímulo é mais juntar sinergias, juntar equipas de áreas diferentes para estimular o conhecimento e a inovação, e não tanto o dinheiro, que dá basicamente para se constituir a equipa”, disse. “No fundo são os alicerces para um projeto nesta área. O Projeto não acaba aqui – isto é exatamente o início. É o princípio do início, se quiser.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Vencedor do Prémio Colaborativo 2018 anunciado segunda-feira