empreendedorismo

IST quer transformar o conhecimento dos alunos em valor económico

Mesa a mesa, os antigos alunos, hoje empresários de sucesso, partilharam a sua experiência de empreendedorismo e deram conselhos aos atuais estudantes. FOTO: Débora Rodrigues / IST
Mesa a mesa, os antigos alunos, hoje empresários de sucesso, partilharam a sua experiência de empreendedorismo e deram conselhos aos atuais estudantes. FOTO: Débora Rodrigues / IST

IST junta antigos alunos com carreiras de sucesso aos atuais estudantes e pavimenta o caminho para a Academia de Inovação, rumo ao empreendedorismo

“Para o Técnico é muito importante que os nossos alunos percebam e saibam transformar o conhecimento que aqui adquirem em valor económico.” Foi assim que Arlindo Oliveira, presidente do Instituto Superior Técnico (IST) inaugurou mais uma edição, a 14.ª, dos Alumni Talks IST. O evento, este ano inserido na campanha Road2EIA@Técnico – lançada com o objetivo de captar o máximo de candidaturas de estudantes para a European Innovation Academy (EIA) –, tem por função partilhar com atuais alunos experiências empresariais e inovadoras bem-sucedidas de antigos colegas e inspirá-los a seguirem na senda do empreendedorismo.

A Criatividade foi o lema das Alumni Talks 2019, que decorreram no passado dia 8 de maio no IST, e que reuniram 20 estudantes dos mais variados cursos com “antigos alunos que fizeram do empreendedorismo o seu ofício e missão”, foi divulgado no site do Técnico. Estes outrora estudantes do IST, são hoje empresários de sucesso, cujas empresas que lançaram integram agora a restrita comunidade Spin-off do Técnico. Aos colegas mais jovens, os alumni deram a conhecer trajetos e experiências diferentes e, no final, ainda partilharam conselhos.

Organizada pelo NAPE (Núcleo de Apoio ao Estudante), conjuntamente com o Técnico Alumni Network e com o apoio do Santander Universidades, o evento visa abrir os horizontes do estudantes para o leque alargado de opções profissionais que se lhes colocarão e sublinhar que uma das saídas possíveis é o empreendedorismo, ou seja, a criação de uma empresa e do próprio emprego.

“Não há mal nenhum em irem para empresas consolidadas demonstrar o vosso talento, mas este evento vai mostrar-vos que também há espaço para criarem e implementaram as vossas ideias”, afirmou Arlindo de Oliveira na abertura das Alumni Talks.

Arlindo Oliveira, presidente do IST. FOTO: Débora Rodrigues / Técnico

Arlindo Oliveira, presidente do IST. FOTO: Débora Rodrigues / Técnico

Ideias empreendedoras que podem receber já um forte impulso para as dezenas de alunos do IST que conseguirem ser selecionados para participar na Academia Europeia de Inovação (EIA, na sigla inglesa), a maior aceleradora de negócios digitais da Europa, que irá decorrer no Estoril entre 14 de julho e 2 de agosto. Pelo menos para 30 alunos do IST, a participação na EIA está garantida graças às bolsas Santander Universidades.

Na base deste empreendedorismo terá sempre de estar uma boa ideia inovadora. Isso mesmo foi demonstrado, mesa a mesa, pelos muitos empresários presentes, que alertaram para os vários obstáculos que se atravessarão no caminho dos jovens empreendedores e para a necessidade de os vencer e de não desistir logo à primeira adversidade.

E como exemplo das boas ideias que podem partir dos alunos do Técnico, estiveram as duas empresas que este ano, e durante o evento, se tornaram membros da comunidade Spin-off IST: a Quidgest e a Jungle.

“A Quidgest consegue, hoje em dia, modelar e gerar automaticamente software desenvolvido à medida das necessidades dos clientes e nas mais variadas áreas”, resumiu o seus responsável João Penha Lopes. Sobre a Jungle, disse Sílvio Rodrigues, seu cofundador, que é uma empresa que “abraça duas grandes áreas: a eletrotécnica e a ciência dos dados, ajudando a identificar quando é que as turbinas ou os transformadores de potência, por exemplo, estão com baixo rendimento ou poderão falhar”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Filipe Amorim / Global Imagens)

Estará a produtividade a ser bem medida em Portugal?

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Estará a produtividade a ser bem medida em Portugal?

Ministério das Finanças

Função pública sai das Finanças ao fim de 17 anos

Outros conteúdos GMG
IST quer transformar o conhecimento dos alunos em valor económico