empreendedorismo

Três startups portuguesas distinguidas no Digital Health Forum da U.Porto

Os responsáveis das startups tecnológicas ligadas à saúde receberam adquiriram know-how antes da competição no Digital Health Forum, realizado na Porto Business School. FOTO: D.R. / U.Porto
Os responsáveis das startups tecnológicas ligadas à saúde receberam adquiriram know-how antes da competição no Digital Health Forum, realizado na Porto Business School. FOTO: D.R. / U.Porto

O evento de tecnologia digital ligado à saúde veio para Portugal pela mão da U.Porto e visa colocar frente-a-frente empreendedores e investidores

Terminou ontem, na Universidade do Porto, o primeiro Digital Health Forum realizado em Portugal e dele saíram distinguidas 10 startups, três das quais portuguesas, com ideias de negócios na área da saúde digital e tecnologia médica. O evento internacional, coorganizado com a Tech Tour e apoiado pelo Santander Universidades, juntou durante dois dias, na Porto Business School, responsáveis de dezenas de startups desta área com potenciais investidores. Marcos Soares Ribeiro, diretor-coordenador do Santander Universidades acompanhou o primeiro dia do evento e afirmou-se surpreendido com os níveis de inovação e tecnologia presentes no evento.

“Aquilo que me impressiona é a qualidade das startups tecnológicas que temos, mesmo as de origem nacional, e que se propõem competir num mercado de grande potencial que é este do digital health“, comentou Marcos Soares Ribeiro a meio da tarde de quinta-feira, o primeiro dia de trabalhos do Forum.

E tinha razão, o responsável do Santander Universidades. No final, Portugal foi o país, de entre todos os que tinham projetos em competição no evento, que mais startups da área da saúde digital viu distinguidas – três ao todo –, seguindo-se a Finlândia e a Irlanda, ambos com duas sartups inscritas entre as melhores. (Veja a lista completa ao fundo).

Portugal foi o país, de entre todos os que tinham projetos em competição no evento, que mais startups da área da saúde digital viu distinguidas – três ao todo.

Mais do que com a inovação e tecnologia presente no evento, o diretor-coordenador do Santander Universidades diz ter sido surpreendido com o papel que o conhecimento de origem em Portugal pode desempenhar num mercado tão importante. “Este mercado, da área digital ligada à saúde, é um caminho de disrupção da própria industria farmacêutica e médica, que pode criar, por um lado, uma enorme inovação de valor para o consumidor – para todos nós, no fundo – e, por outro, são novas formas de estar numa indústria já de grande peso, mas que também ela vai ter de se adaptar a esta realidade disponibilizada pela tecnologia”, afirmou.

Diz quem sabe, nomeadamente o vice-reitor para as Empresas, Inovação e Empreendedorismo da Universidade do Porto, Helder Vasconcelos, que no processo de transferência da tecnologia gerada nas universidades para o mundo real, a primeira grande barreira com que os empreendedores se deparam é o acesso ao investimento. Minorar o fosso entre estas duas margens de peritos é precisamente o desígnio do Digital Health Forum e a razão por que a Universidade do Porto e Santander Universidades quiseram trazer este evento até Portugal.

Marcos Soares Ribeiro, responsável do Santander Universidades, ficou agradavelmente surpreendido. FOTO: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

Marcos Soares Ribeiro, responsável do Santander Universidades, ficou agradavelmente surpreendido. FOTO: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

Assim, durante dois dias, as tecnológicas selecionadas para apresentarem os seus projetos no evento receberam mentoria, passaram por sessões de treino de negócios, reuniões bilaterais com investidores, painéis de discussão e tiveram formação para os seus responsáveis aprenderem a fazer o melhor pitch possível da sua ideias de negócio. E tudo isto perante um número muito significativo de investidores que não vão querer perder a oportunidade de investir em produtos e serviços que considerem promissores.

Marcos Soares Ribeiro sublinhou o papel da Universidade do Porto em ter acolhido e atraído para Portugal este evento de cariz internacional, tão importante, disse, para cimentar o ecossistema de empreendedorismo em torno da universidade. “E esta é a razão pela qual nós, através da parceria com a U.Porto, queremos e estamos há bastantes anos a apoiar o empreendedorismo nesta universidade, que hoje já é vista como tendo bases bastante sólidas para desenvolver empreendedores, por um lado, e startups, por outro”, sublinhou o responsável.

“Esta universidade é, sem dúvida, um exemplo de que nós nos orgulhamos muito de ter vindo a apoiar já há bastantes anos e vamos continuar a fazê-lo”, garantiu o diretor-coordenador do Santander Universidades.

Lista das empresas vencedoras do Digital Health Forum 2019:

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Termina greve dos motoristas

Francisco São Bento, presidente do SNMMP. Foto: Sara Matos/Global Imagens

Cinco momentos chave numa greve de sete dias

Outros conteúdos GMG
Três startups portuguesas distinguidas no Digital Health Forum da U.Porto