Bolsas Santander +Perto

“Agarrem esta oportunidade”

Inês Oom de Sousa, administradora do Santander em Portugal, explica os objetivos visados pelo projeto-piloto no novo programa de bolsas do banco. FOTO: D.R. / Santander Universidades
Inês Oom de Sousa, administradora do Santander em Portugal, explica os objetivos visados pelo projeto-piloto no novo programa de bolsas do banco. FOTO: D.R. / Santander Universidades

Depois das centenas de bolsas de estudo Santander Universidades já criadas, o banco lança projeto-piloto para co-financiar o alojamento dos estudantes

As Bolsas Santander +Perto, que acabámos de lançar, tocam em dois grandes pilares da Banca Responsável: apoiar a Educação e apoiar a Sociedade.

Com este programa estamos a promover a igualdade de oportunidades dos jovens universitários no acesso à Educação, independentemente do seu contexto socioeconómico. É acelerar o chamado “elevador social”. Não perguntamos de onde vêm, mas para onde querem ir, porque sabemos que a falta de habitação é um dos obstáculos mais difíceis de ultrapassar no acesso à universidade.

Mas os jovens que conseguirem estas Bolsas têm uma dupla responsabilidade: não só têm que dar o seu melhor por eles próprios, como qualquer bom aluno, mas também têm a responsabilidade de agarrar esta oportunidade, por todos os outros, com igual talento mas que não tiveram a sorte e a oportunidade de chegar até aqui. O país precisa de jovens ambiciosos, criativos, dinâmicos e com uma visão inspiradora.

Ajudar os jovens universitários a “subir mais andares” na empregabilidade, na capacidade de inovação e no empreendedorismo, faz também parte da essência das Bolsas Santander +Perto. Os 50 convénios com instituições de Ensino Superior, ou as 1.700 bolsas que atribuímos a estudantes, anualmente, são outras tantas peças desta nossa aposta decisiva na promoção do talento.

Queremos ter um papel ativo no crescimento sustentável e inclusivo da sociedade portuguesa, reduzindo as desigualdades sociais e económicas – ao mesmo tempo que apoiamos o desenvolvimento das comunidades onde estamos presentes.

Boa sorte para o novo ano letivo!

Inês Oom de Sousa
Administradora do Santander em Portugal

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
“Agarrem esta oportunidade”