Inovação

Portugueses têm caixa inteligente para proteger do Covid os alimentos

Tiago Cunha Reis, um dos fundadores da start-up Mater Dynamics, e caixa inteligente Samply Box. FOTO: D.R. / T. Cunha Reis
Tiago Cunha Reis, um dos fundadores da start-up Mater Dynamics, e caixa inteligente Samply Box. FOTO: D.R. / T. Cunha Reis

Stamply Box é finalista do Santander X - Tomorrow Challenge, que vai premiar as melhores soluções para a era pós-Covid, e pode ganhar 20 mil euros

Chama-se Stamply Box, foi criada pela Mater Dynamics, uma start-up criada por jovens portugueses em 2016, e é uma caixa estanque e inteligente, capaz de conservar os alimentos perecíveis na melhor das condições e protegê-los de contaminações. Atributos que a tornam preciosa em tempos de pandemia Covid-19. Razão porque, este projeto é um dos top-10 finalistas do concurso Santander X – Tomorrow Challenge, cujos vencedores serão anunciados esta sexta-feira, ao final do dia.

A Stamply Box criada por esta equipa de jovens empreendedores – cujas áreas de formação vão da engenharia, à química e eletrónica – consegue transmitir informação captada do interior da caixa, que está fechada e isolada. Graças à incorporação de nanossensores na superfície da Stamply Box, é possível, como explicou Tiago Cunha Reis, um dos fundadores da start-up, monitorizar a temperatura no seu interior, o percurso que foi fazendo, se houve adulteração do isolamento, etc.

A mater Dynamics já tem caixas próprias, mas a sua tecnologia pode ser aplicada a outros recipientes e volumes pela simples aposição de uma autocolante com esta nanotecnologia. “A ideia não é tanto incentivar a criação de novos produtos no planeta, é reutilizar produtos que já existem e torná-los inteligentes, de uma forma simples, como colar um autocolante”, avançou o responsável.

Com esta inovação, Tiago Cunha Reis espera ficar entre os grandes vencedores do Santander Tomorrow Challenge, um concurso lançado pelo banco a nível global (do universo Santander) para “encontrar soluções para os principais desafios pós-Covid-19”. Para já, diz o jovem, é recompensador ser um dos 10 finalistas de entre centenas de concorrentes da América Latina, Península Ibérica e Polónia.

Em termos globais, o Santander X – Tomorrow Challenge vai distribuir um milhão de euros pelos 20 novos empreendedores com melhores soluções. A iniciativa faz parte do plano global do Santander Universidades para responder ao Covid, que prevê afetar 100 milhões de euros ao combate ao coronavírus e 30 milhões ao setor da educação também para fazer face à pandemia.

Enquanto finalista, diz Tiago Cunha Reis: “Sentimos que temos um produto sólido, pronto a entrar para o mercado, e estamos confiantes de que podemos ter uma boa classificação e, quiçá, vencer este concurso para obtermos a bolsa”.

Se ganhar, a Mater Dynamics “arrisca-se” a trazer para casa um financiamento de 20 mil euros para aplicar no projeto e mais de 100 horas de mentoria de especialistas de vários setores, do marketing ao financeiro. Mas não é só. Tiago Cunha Reis está bem ciente da exposição que uma vitória ou que o simples facto de ser finalista no concurso vai trazer à Mater Dynamics.

A Stamply Box, criada por Tiago Cunha Reis (na foto<9< e restante equipa da Mater Dynamics, tem capacidade até 20 kg e consegue conservar uma amplitude de temperaturas entre -35ºC e +90ºC. FOTO: D.R. / T. Cunha Reis

A Stamply Box, criada por Tiago Cunha Reis (na foto) e restante equipa da Mater Dynamics, tem capacidade até 20 kg e consegue conservar uma amplitude de temperaturas entre -35ºC e +90ºC. FOTO: D.R. / T. Cunha Reis

“É a primeira vez que a Mater Dynamics, que veio do meio académico, vai dar um passo em termos da sua internacionalização”, disse o responsável. Cunha Reis contou que, nos poucos mais de três anos de existência da empresa, se focaram “setorialmente em alguns parceiros e nalguns países”, mas nunca tinham aberto a sua tecnologia ao vasto mercado da América Latina. “Vencermos este prémio, vai-nos dar essa exposição, a capacidade de internacionalização por novos caminhos e novas vias de comunicar o nosso serviço, mas também comercializá-lo”, disse.

Como é que a Stamply Box pode ajudar no combate à Covid-19?

Antes da resposta a esta pergunta, entende Tiago Cunha Reis que é preciso um pouco de contexto, que não hesita em dar. “70% da nossa alimentação está associada a produtos perecíveis, nomeadamente suscetíveis a variações de temperatura, pelo que são transportados em carrinhas de frio. O transporte em carrinhas refrigeradas é 38% mais caro face a um veículo convencional e 29 vezes mais poluente do que uma carrinha normal”, diz.

O impacto é enorme, em termos económicos, para produtores, retalhistas e consumidores, mas também em termos ambientais, para toda a sociedade. “A solução é tentar evitar ao máximo as carrinhas de frio”, diz Cunha Reis. Mas o transporte refrigerado continua a ser necessário.

A primeira inovação da Mater Dynamics foi então pegar em caixas refrigeradas – “como as antigas geleiras que as nossas mães levavam para a praia nos anos 1980 e 1990”, aponta Tiago Cunha Reis – e dar-lhes inteligência. Com a tecnologia criada pela Mater Dynamic, as Stamply Boxes mantêm uma temperatura abaixo dos 5º graus, como a lei impõe, e é feita uma monitorização a cada 10 minutos (também imposta por lei) que é registada na aplicação Mater X, a que toda a gente envolvida na cadeia de transporte pode ter acesso, inclusive o consumidor – basta ter um smartphone.

E o melhor, como diz o jovem empreendedor, é que, com uma simples etiqueta ou autocolante, a sua tecnologia pode ser aplicada a outros recipientes equivalentes.

A segunda inovação da Stamply Box está relacionada com a necessidade de proteger a cadeia alimentar. Atualmente o transporte e manuseamento dos alimentos perecíveis é feito em ambiente refrigerado, mas em caixas abertas, tanto nos veículos, como nos entrepostos de distribuição.

A ideia não é tanto incentivar a criação de novos produtos no planeta, é reutilizar produtos que já existem e torná-los inteligentes, de uma forma simples, como colar um autocolante”, Tiago Cunha Reis, Mater Dynamics

E tendo em conta que o Covid-19 veio alterar a forma como as pessoas estão a interagir com os supermercados e retalho em termos de solicitação de serviços, apoiando-se cada vez mais nos canais online, a fiabilidade e segurança do transporte dos produtos está a tornar-se um fator crucial.

“Olhando para o retalho convencional – Jerónimo Martins e Sonae -, as groceries ou produtos perecíveis são o elemento maior a nível de retalho lojista, mas apenas 3% das vendas que ocorrem são através de canais online. Ou seja, aquilo que as pessoas mais procuram nas lojas é aquilo que tem menos extração em termos de canais online”, refere Tiago Cunha Reis. O jovem prevê neste campo um crescimento enorme para breve e a Mater Dynamics tem aqui a oportunidade de prestar um serviço (e fazer negócio) que não quer perder.

“Esta pandemia veio mudar um pouco o perfil de risco dos utilizadores e nós temos uma tecnologia que acreditamos que garante o ambiente de isolamento e que partilha estes dados todos com o produtor, o lojista, o transportador e o próprio consumidor, reforçando esta cadeia de valor”, disse Tiago Cunha Reis. Com o Covid-19, “há uma necessidade de proteger a cadeia alimentar e ter capacidade de fazer a entrega destes produtos de uma forma mais fiável e sem quebras logísticas”, concluiu.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Portugueses têm caixa inteligente para proteger do Covid os alimentos