Campus Santander Universidades

Trabalho sobre zika recebe prémio IHMT/Santander Universidades

O prémio foi entregue à jornalista Sara Sá
O prémio foi entregue à jornalista Sara Sá

Prémio foi atribuído ao trabalho “Inimigo Público nº1” sobre zika, da autoria da jornalista Sara Sá.

O Prémio de Jornalismo IHMT/Santander Universidades na área de Saúde Global e Medicina Tropical, promovido pelo Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa, em parceria com o Santander Universidades e a Associação para o Desenvolvimento da Medicina Tropical – ADMT, e com acolaboração da Casa da Imprensa, atribuiu o 1º prémio ao trabalho “Inimigo Público nº1” sobre zika, da autoria da jornalista Sara Sá da Revista Visão.

O prémio pecuniário, no valor de 2500 euros, pretende incentivar o desenvolvimento de trabalhos jornalísticos de qualidade, que contribuam para informar adequadamente a população portuguesa, e que ajudem a compreender os novos desafios relacionados com as doenças tropicais e com a saúde dos viajantes e migrantes, num mundo cada vez mais globalizado.

A entrega do galardão decorreu a 21 de Abril passado durante o 4º Congresso Nacional de Medicina Tropical e 1º Encontro Lusófono de Sida, Tuberculose e Doenças Oportunistas no Instituto de Higiene e Medicina Tropical.

O trabalho jornalístico intitulado “Semana da Saúde em África”, da autoria de Paula Borges, emitido na RDP-África a 12 de abril de 2016, foi distinguido com uma Menção Honrosa.

O “Inimigo Público nº1” foi publicado na Revista Visão a 4 de fevereiro de 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Trabalho sobre zika recebe prémio IHMT/Santander Universidades