Criatividade empresarial

“Seja apaixonado pelo que faz”

Daniel Vila Boa, CEO da Chilltime, é um dos empresários que visitará a EIA na próxima semana. FOTO: D.R.
Daniel Vila Boa, CEO da Chilltime, é um dos empresários que visitará a EIA na próxima semana. FOTO: D.R.

Daniel Vila Boa, fundador da Chilltime, deu a sua receita para uma startup de sucesso. Para a semana, o empresário falará perante os estudantes da EIA

– Face ao grande compromisso e dedicação que é preciso empregar para fazer de uma startup uma empresa de sucesso, é preciso gostar muito do que se faz. Pelo menos, assim pensa Daniel Vila Boa, fundador e CEO da Chilltime e um dos empresários que vai passar pela EIA Portugal na próxima semana. A Chilltime é uma empresa que se dedica a criar jogos de estratégia internacional e que tem no World War Online o seu produto mais emblemático. Partilhando a sua experiência acumulada, Daniel Vila Boa deu ao Dinheiro Vivo a sua receita para um startup de sucesso.

Como se faz uma startup?
As startups são constituídas por equipas pequenas, pelo que há dois fatores importantes para criar um negócio de sucesso: aprender a otimizar os recursos e ter as métricas-chave. Já que as startups são inovadoras por natureza, é importante estar preparado para a turbulência e dinâmicas próprias de quando se constrói algo novo. Para maximizar o impacto da sua startup utilizando a menor quantidade de recursos possível, é útil priorizar as ideias que criam mais impacto com o mínimo esforço.

Qual é o segredo para o sucesso de uma startup?
O pilar fundamental para o sucesso de uma startup é um bom enquadramento entre o Produto, o Mercado e a Equipa. O produto que está a criar deve ser algo de que as pessoas genuinamente precisam ou querem. A fidelização e indicação de clientes são duas métricas-chave para aferir a qualidade do produto. Se não consegue convencer as pessoas a continuar a utilizar o produto, continue a repetir, mude de estratégia ou invista o tempo numa outra ideia. O mercado a que se dirige deve ser grande o suficiente para conseguir crescer, mas ter obstáculos pequenos para conseguir lançar-se. O custo de adquirir utilizadores deve ser inferior à sua receita por cliente. Por último, mas não menos importante, a sua equipa deve ter a capacidade de encontrar ótimas soluções para problemas e deve também conseguir executar eficazmente essas ideias. Tente constituir uma equipa com as seguintes pessoas-chave: alguém com um conhecimento técnico profundo (“hacker”), um “business developer ou deal maker” (“hustler”) e uma “product person” (designer).

Que diria ao CEO de uma startup?
Seja apaixonado pelo que faz. Ser empreendedor é difícil, requer um grande compromisso e muita dedicação. Haverá momentos altos e momentos baixos, e ser apaixonado pelo que faz vai ajudá-lo a absorver o impacto dos pontos baixos e a manter-se focado na sua missão durante os pontos altos. Se a sua motivação é sobretudo financeira, de reconhecimento ou fama, vai ser difícil manter-se firme depois de o derrubarem e ainda mais difícil manter os pés assentes na terra. Por último, saiba gerir a sua empresa como se houvesse uma equipa vizinha a trabalhar exatamente no mesmo problema, mas que está a trabalhar mais, há mais tempo e de forma mais inteligente. Porque a realidade é que essas empresas existem e já podem ter ultrapassado a sua startup.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Pestana-Casino-Park

Grupo Pestana investe 50 milhões para construir “hotel sustentável” no Algarve

Foto: JOOST DE RAEYMAEKER/LUSA

Angola: João Lourenço “esquece” Portugal na lista de países importantes

Fotografia: Direitos Reservados

Uma nova aliança Portugal-Angola?

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
“Seja apaixonado pelo que faz”