entrevista

“Só o mercado e os clientes decidem o sucesso da startup”

Dirk Lehmann-A
Dirk Lehmann esteve em Cascais e deu dicas sobre como evitar que uma ideia de negócio vá parar ao "cemitério das startups". FOTO: D.R.

Criador da European Innovation Academy, Dirk Lehmann explica como se lança uma startup de sucesso.

– Dirk Lehmann, o principal mentor da European Innovation Academy (EIA), programa que está agora a decorrer pela primeira vez em Portugal, esteve no Centro de Congressos do Estoril e partilhou com 245 estudantes o seu know-how. Ao longo da sua carreira, Dirk Lehmann trabalhou em incubadoras que ajudaram a lançar startups nas mais variadas áreas de negócios. Um dia ocorreu-lhe que seria bom não ter de esperar que os jovens terminassem as suas formações académicas e começar a dar um impulso às boas ideias de negócio logo no ambiente universitário. O resultado foi a EIA, um programa de aceleração de ideias concebido especificamente para estudantes universitários. Com o Dinheiro Vivo, Dirk Lehmann partilhou alguns conselhos.

Como se evolui de uma ideia para um projeto concreto?
Quando se tem uma grande ideia, a primeira coisa que queremos é esquecê-la. A ideia é o motor de arranque, é o que faz com que se crie a primeira equipa e os primeiros apoios, mas nada mais que isso. O importante é perceber quem é o cliente e quais são os seus problemas. Quando se reconhece o verdadeiro problema, deve construir-se a solução mais pequena possível e começar a enviar os materiais. Daí em diante, inicia-se um ciclo infindável: construir, medir, aprender e repetir. É isto que vai elevar a startup aos patamares seguintes. Se isto for feito, atinge-se um modelo de negócio repetível e passível de ser medido.

O que é que dita o sucesso de uma startup?
O destino da startup não é decidido pelos investidores, nem pelos mentores e pela equipa. Só o mercado e os clientes é que decidem o sucesso da startup. São eles que vão tornar a startup num sucesso raro – ou num outro membro do cemitério das startups. Transforme a interação e a satisfação dos clientes com o seu produto em formas de medição tangíveis. Isto vai retirar os floreados da questão e vai transformar a equipa num conjunto de pessoas que se guiam por dados e estatísticas. Elimine o risco com um sistema à sua escolha e comece sempre com a questão maior e mais preocupante.

Qual o melhor conselho que pode dar ao CEO de uma startup?
Que se pergunte o porquê de querer embarcar nesta aventura, pois vai ser a coisa mais difícil que já fez na vida. Só um objetivo e uma visão clara vão permitir dar continuidade à startup quando as coisas se complicarem – e acredite, vão complicar-se. Encontre pessoas que partilhem da sua paixão e com quem ache que vai ter mais hipóteses de ser bem-sucedido. Lembre-se sempre de que a receita é mais valiosa do que qualquer investimento. Por isso, comece por construir algo que as pessoas queiram e o resto virá naturalmente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Turismo vale 16% da atividade económica portuguesa

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Défice público cai 59% até ao final de outubro

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
“Só o mercado e os clientes decidem o sucesso da startup”