Prémio Primus Inter Pares

Troféu da liderança entregue a mulher formada em gestão

Tomás Virtuoso, Marta Ribeiro e Frederico de Andrade, 3.º, 1.ª e 2.º classificados. FOTO: Pedro Rocha/GI
Tomás Virtuoso, Marta Ribeiro e Frederico de Andrade, 3.º, 1.ª e 2.º classificados. FOTO: Pedro Rocha/GI

Os três vencedores dos prémios que distinguem universitários com qualidades para serem futuros líderes têm direito a um MBA numa escola de prestígio

“Só 28% dos cargos de liderança nas empresas são ocupados por mulheres. Mas o facto de eu estar aqui é sinal de que a meritocracia, por si só, é suficiente para as mulheres chegarem aos lugares de topo.” Pouco menos de duas horas depois da projeção do vídeo em que fazia esta afirmação, Marta Silva Pereira via consagrada a sua especial capacidade de liderança ao conquistar, de entre cinco finalistas, o 1.° prémio Primus Inter Pares 2017. Tomás Virtuoso e Frederico de Andrade arrecadaram, respetivamente, o 2.° e 3.° galardões deste prémio, que há 14 anos vem distinguindo os futuros líderes do país. O anúncio dos vencedores da edição de 2017 do Primus Inter Pares ocorreu na quinta-feira à noite, numa cerimónia e jantar de gala que teve lugar no Four Seasons Hotel Ritz, em Lisboa.

“Foi bastante inesperado, confesso, mas foi uma surpresa agradável”, comentou Marta Pereira ao final da noite, quando já sabia ser a “campeã” do Primus Inter Pares 2017. “Este prémio representa o reconhecimento da minha dedicação ao estudo e à aprendizagem, que são uma constante na minha vida”, disse ao Dinheiro Vivo, comentando depois que o troféu, em si, vai oferecê-lo aos avós.

Também para Tomás Virtuoso, vice-campeão do Primus Inter Pares deste ano, este 2.° prémio “representa o culminar de um período de formação intensa”. Mas a alegria de ter conquistado tal distinção não o faz perder o norte. “É preciso ter os pés assentes na terra e perceber que não passámos a ser uns gurus da gestão, nem uns especialistas por causa deste prémio”, disse.

Já para Frederico de Andrade, 3.° classificado, “o mais importante foi o percurso e não tanto o prémio em si”, embora admita a relevância da conquista do galardão, porque não deixa de ser um reconhecimento do trabalho feito, disse ao Dinheiro Vivo. Com o MBA a que vai ter direito, Frederico só visa um objetivo: “Aquilo que eu queria realmente era poder desenvolver o meu país e criar impacto em Portugal.”

A foto de formação, no final: os cinco finalistas à frente do júri que os elegeu e de Cláudia Vieira (à direita), que foi a anfitriã da gala. FOTO: Pedro Rocha / Global Imagens

A foto de formação, no final: os cinco finalistas à frente do júri que os elegeu – António Vitorino (escondido à esquerda), António Vieira Monteiro, Estela Barbot, Pinto Balsemão e Raquel Seabra – e de Cláudia Vieira (à direita), que foi a anfitriã da gala. FOTO: Pedro Rocha / Global Imagens

A realização de um MBA é precisamente o prémio atribuído pelo Primus Inter Pares aos três primeiros classificados, que têm à sua escolha uma business school de prestígio nacional e internacional, em Barcelona, Madrid, Lisboa ou Porto. O 4.° e o 5.° classificados, este ano, respetivamente, Francisco Teles e Duarte Barosa, recebem um curso de pós-graduação.

Da iniciativa conjunta do Banco Santander Totta e do semanário Expresso, o Prémio Primus Inter Pares distingue todos os anos – desde 2003 – três alunos do ensino superior em Portugal pela sua especial capacidade de liderança, conhecimento e adaptabilidade a desafios.

28193953_08062017PEDROROCHA0032“Este é um prémio que vale a pena: distingue a qualidade, procura estimular e atribuir responsabilidades”, disse Francisco Pinto Balsemão (na foto à esquerda), presidente da Impresa, detentora do Expresso, no seu discurso na noite de gala. E a razão por que o Santander Totta é parceiro nesta iniciativa é simples: “Dentro da sua responsabilidade social corporativa está um princípio fundamental – apoiar o ensino superior e tudo o que tenha que ver com a preparação das pessoas para amanhã poderem ser os melhores dentro deste país”, disse António Vieira Monteiro, presidente do Santander.

A gala dos Primus Inter Pares teve 150 pessoas, entre familiares, finalistas – desta e outras edições – e personalidades do mundo empresarial e académico a assistir à revelação dos vencedores de 2017.

No seu discurso, o presidente do Santander Totta, António Vieira Monteiro, salientou o papel do banco no apoio universitário de formação dos líderes de amanhã. FOTO: Pedro Rocha/GI

No seu discurso, o presidente do Santander Totta, António Vieira Monteiro, salientou o papel do banco no apoio universitário e na formação dos líderes de amanhã. FOTO: Pedro Rocha / Global Imagens

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Global Imagens)

EDP faz aumento de capital de 1020 milhões para financiar compra da Viesgo

O ex-ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: Tiago Petinga/Lusa

Relatório aprovado. Centeno pode ser nomeado para o Banco de Portugal

(Rui Oliveira/Global Imagens)

Turismo: Eurodeputados portugueses exigem mais dinheiro e coordenação

Troféu da liderança entregue a mulher formada em gestão