10 regras para empresários que querem investir no mercado chinês

China criou 13,12 milhões de empregos urbanos
China criou 13,12 milhões de empregos urbanos

No âmbito da sua politica de internacionalização, a PLMJ Sociedade de Advogados RL, mantém há quatro anos uma equipa de advogados em Beijing e Macau, em parceria com um dos maiores escritórios na Republica Popular da China, a Dacheng Law Offices.

“Por se tratar de um
mercado muito particular e complexo algumas regras
elementares
devem ser consideradas pelos empresários portugueses visitam a
China, sem descurar de um estudo profundo de mercado na área de
negócio que pretendem explorar e de uma análise legal especifica
que se impõe sobre cada área de actividade e empresa”, aconselha

Rita Assis Ferreira, associada sénior de PLMJ, actualmente em Macau em representação de
PLMJ na DSL Advogados (rita.assisferreira@plmj.pt).

Entretanto 10 regras:

1. Conhecer o mercado
chines na área específica do negócio. Estudo e ponderação dos riscos e oportunidades do negócio.

2. A escolha do parceiro local deve ser
cuidadosa. Verifique o histórico do parceiro no mercado; visite
instalações e/ou fábricas; efectue a adequada due diligence
jurídica e financeira; fale com parceiros de negócios locais. Este
ponto será um dos mais importantes para o sucesso do seu negócio.

3. Nomear e
deslocalizar um representante/equipa da empresa portuguesa com o
perfil adequado e as qualidades técnicas necessárias para se basear
na China e assumir a coordenação do negócio. O negócio
é seu, não do seu parceiro local.

4. Contratar
especialistas legais, consultoria e financeiros consoa
nte
a complexidade do projecto. É crucial que o
empresário tenha conhecimento prévio das normas regulamentares e
limitações legais existentes na lei Chinesa que podem afectar o seu
investimento. Algumas matérias assumem particular relevância no
mercado chines, designadamente as normas relativas à importação de
produtos, protecção de direitos de propriedade intelectual e
incentivos e obrigações fiscais.

5. Assumir a dificuldade de comunicação
e munir-se de um intérprete de confiança.

6. Assumir o
investimento na China como um projecto a médio e longo prazo. Não
é, em geral, o país certo para estratégias
de curto prazo.

7. Efectue visitas
regulares à China, é importante que o mercado e os parceiros sintam
um acompanhamento permanente e também lhe permitirá verificar, in
loco, o andamento do negócio.

8. Conhecer a forma de
actuação das entidades responsáveis na China pela área de negócio
– entidades fiscais, alfandegárias e
aduaneiras, registos comercias e de marcas, etc.

9. Promova o Guanxi! Aceite e retribua
jantares, almoços, espectáculos, ofereça presentes – simbólicos
-, mostre empatia e respeito pelas tradições locais.

10. Em resumo, tenha paciência de
chinês.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
10 regras para empresários que querem investir no mercado chinês