Mulheres

Tecnologia. O estigma de ser mulher num mundo de homens

Disparidade salarial e interesse no setor continuam a marcar as principais diferenças entre homens e mulheres no mundo tech.

Ano novo, nova campanha. A Web Summit voltou a lançar a iniciativa Woman in Tech. Desta vez, a organização da conferência, que em novembro terá de novo lugar em Lisboa, não foi tão generosa com o sexo feminino. Se no ano passado, os bilhetes foram oferecidos a todas as mulheres que se inscreveram durante o período promocional, este ano, a inscrição dá apenas acesso à possibilidade de compra de um ingresso a um valor reduzido, de 85 euros (o valor do bilhete sem desconto é de 850€). Na edição anterior, a cimeira tecnológica congratulou-se de ter oferecido 10 mil bilhetes a mulheres, tendo o rácio de participação feminina sido de 42%, o maior de sempre num evento de tecnologia, segundo Paddy Cosgrave, fundador da Web Summit.

Apesar disso, a presença feminina em áreas tech ainda é baixa. “Existe um grave problema no envolvimento das mulheres em questões de tecnologia. Não tem a ver com oportunidades. Na Europa e nos Estados Unidos, sabe-se que o problema não é económico, mas deve-se a fenómenos culturais e políticos”, explicou José Esteves, professor da IE Business School, em Madrid, ao Dinheiro Vivo. “Só há pouco tempo se começou a fazer campanhas de consciencialização. Ainda assim, principalmente em culturas como a portuguesa e a espanhola, assume-se que as meninas não devem estudar tecnologia, que é um mundo de homens. Estamos a dar conta de que muitas vezes a influência vem dos próprios pais que estão a desmotivar as filhas a não seguirem essas carreiras”.

Nos Estados Unidos, uma pesquisa da Accenture indica que a percentagem de mulheres no mundo tech ronda os 24% mas que, se as condições culturais e políticas não forem melhoradas, esse valor pode descer até aos 22% até 2025. O mesmo estudo mostra que, se os governos proporcionarem uma adequada literacia digital feminina, será possível igualar os salários entre homens e mulheres em 2040, nos países desenvolvidos, e no ano 2100, nos países subdesenvolvidos.

Neste momento, existe uma acentuada desigualdade salarial. De acordo com a agência Comparably, que entrevistou mais de dez mil pessoas na indústria tech, os homens ganham cerca de 19% mais que as mulheres neste setor, sendo esta disparidade mais acentuada nas camadas mais jovens. Até aos 25 anos, a diferença chega quase aos 30%.

Em Portugal, os dados mais recentes da Pordata, indicam que, em 2007, na área da informação e comunicação, os homens ganhavam mais 15,6% que as mulheres. Essa diferença foi reduzida para 10,7% em 2014, num dos valores mais baixos da União Europeia – só ultrapassado por Malta com 10,2%, dos países que há registo. Por outro lado, nas atividades de consultoria, científicas e técnicas, também associadas à tecnologia, houve uma disparidade de 15,1% em 2007, que se acentuou para 21,5% em 2014.

Para já, há pouco cor-de-rosa no mundo das novas tecnologias e não tem só a ver com salários e presença feminina. A atriz Ashley Judd, que esteve em grande destaque na marcha das mulheres contra Donald Trump, com um discurso inflamado em Washington DC, dias antes tinha já denunciado o que chamou de “misoginia dominante na indústria dos videojogos”.

Falando numa conferência TED, a celebridade afirmou ser assediada diariamente em fóruns online e redes sociais, como o Facebook e o Twitter. E disse não ser a única. Na sua apresentação, Judd apresentou dados que demonstram a proliferação de exposição de conteúdo pornográfico e sexual como vingança, sendo que 92% das pessoas com menos de 30 anos já testemunharam abusos online.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Tecnologia. O estigma de ser mulher num mundo de homens