A saber antes de emigrar para Angola

Colecção de arte em Luanda
Colecção de arte em Luanda

«El Dorado», terra de oportunidades, salários elevados, bom nível de vida, pérola de África, apelo emocional, laços históricos, saída para o desemprego. Nos últimos anos, estas têm sido as ima­gens que passam pela cabeça de milhares de portugueses quando se fala em Angola. Acossados pelo aumento do desemprego e pela estagnação económica em Portugal, cerca de 100 000 «tugas» estarão hoje a viver e a trabalhar em Angola. Um cenário difícil de imaginar em 1975, quando o país alcançou a independência e 300 000 portugueses regressaram à pressa a Portugal. Leia também: Guia para viver em MoçambiqueMuitos dos que hoje estão em Angola são descendentes des­ses milhares que regressaram há 35 anos. Outros partem porque querem descobrir novos desafios. Há ainda outros que vão para terras angolanas à procura de um emprego que não têm em Por­tugal. Com o final da guerra, em 2002, Angola entrou na rota do desenvolvimento. Mas o caminho a percorrer não é fácil, o que se explica principalmente pelos anos de guerra – 40 anos, se contar­mos os conflitos colonial e civil – e são comprovados pelos dados da Nações Unidas. 1. Tomada a decisão de ir para Angola, quais os erros a evitar?2. Devo levar a família quando for trabalhar para Angola? 3. Como posso formar uma empresa em Angola?4. Quais são as recomendações para fazer negócios. Leia o guia 5. Que oportunidades profissionais existem em Angola?6. Quais os aspetos mais importantes na escolha de uma casa em Angola?7. Que local devo escolher para viver em Luanda? 8. Se eu decidir emigrar para Angola sem qualquer vínculo a uma empresa, o que me espera? 9. Se eu for mulher e for sozinha trabalhar para Angola, o que me espera?10. E, depois de decidir, o que é necessário?
(Texto escrito a 28/8/2012 e atualizado a 21/5/2013)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
País precisa de repor, pelo menos, os 150 mil hectares de floresta perdida nos últimos 10 anos. Fotografia: Rodrigo Cabrita

Floresta vale mais de 1,3 mil milhões e está subaproveitada

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS / François Lenoir

Dinheiro do plano Juncker para Portugal duplica em apenas um ano

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
A saber antes de emigrar para Angola