Emprego

As 10 mentiras mais memoráveis nos CV

Ilustração - genérico

A vontade de se destacar entre centenas de candidatos a um emprego leva muitos candidatos a "embelezar" os respetivos currículos com mentiras.

Desde o início da crise, um terço dos empregadores disse ao portal Career Builders notar um aumento do fenómeno. Mentiras maiores ou menores, mas a verdade é que 58% dos empregadores deram por elas e, a uma pesquisa recente do referido, revelaram quais as mentiras mais frequentes e as mais memoráveis que já encontraram nos CV dos candidatos.

Entre as mentiras mais comuns detetadas pelos recrutadores encontram-se:

  • – conjunto de capacidades embelezado/exagerado (57%);
  • – responsabilidades embelezadas/exageradas (55%);
  • – datas de emprego (42%);
  • – cargo do emprego (34%);
  • – grau académico (33%);
  • – empresas para as quais trabalhou (26%);
  • – prémios e reconhecimentos (18%).

Já entre as mentiras mais originais e memoráveis, note bem a imaginação dos candidatos:

– incluir a experiência de trabalho do pai como sua, visto que tem o mesmo nome;

– afirmar que foi assistente do primeiro-ministro de um país estrangeiro que não tem primeiro-ministro;

– dizer que foi campeão de lançamento livre em basquetebol durante o liceu, admitindo na entrevista que era mentira;

– referir que que tem experiência como supervisor de construção. Durante a entrevista, acaba por dizer que a experiência resulta da conclusão de uma casota de cão há alguns anos;

– indicar que tem 25 anos de experiência quando o candidato só tem 32 anos de idade;

– referir que trabalhou 20 anos como babysitter de celebridades como Tom Cruise, Madonna, etc;

– indicar que teve três empregos nos últimos três anos. Após contactar os empregadores, o recrutador ficou a saber que o candidato trabalhou num durante dois dias, noutro por um dia e no terceiro nem sequer apareceu;

– ofereceu-se para trabalhar na empresa que tinha acabado de despedi-lo. Listou a empresa nos empregos anteriores e indicou no currículo que tinha decidido mudar de emprego.

– respondeu duas vezes ao mesmo anúncio de emprego e enviou dois percursos de emprego diferentes para cada candidatura.

A pesquisa da Career Builders, o maior portal online de emprego norte-americano, foi realizada entre 13 de maio e 6 de junho, junto de 2,188 recrutadores e profissionais de recursos humanos de diversas indústrias nos EUA. Rosemary Haefner, vice-presidente de Recursos Humanos na Career Builders, concluiu que “a confiança é muito importante nas relações profissionais e, mentindo no seu currículo, quebram essa confiança desde o início”. A responsável deixou um conselho a quem procura emprego: “Se quer melhorar o seu currículo, é melhor concentrar-se em desenvolver exemplos da sua experiência real, pois o seu currículo não tem de ser perfeito para encaixar numa empresa, mas tem de ser relevante e verdadeiro”.

Texto originalmente publicado em junho de 2014

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, Ministro das Finanças. Fotografia: EPA/ANTONIO COTRIM

Portugal poupa 1,16 mil milhões em dois anos com pagamentos antecipados ao FMI

REUTERS/Marcos Brindicci

América Latina tem “potencial” para receber 5% das exportações portuguesas

Primeira-ministra britânica, Theresa May, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. Fotografia:  REUTERS/Hannah McKay

Brexit: Juncker afasta renegociação. “Este é o único acordo possível”

Outros conteúdos GMG
As 10 mentiras mais memoráveis nos CV