inteligência artificial

Automação pode ajudar a criar mais emprego a nível mundial

Pixabay, Inteligência artificial

Até 2030, a procura por capacidades humanas, sociais e emocionais, vai aumentar 22% em todos os setores nos países europeus.

A automação dá cartas no mundo, mas será que esta vaga de inteligência artificial vai roubar os empregos às pessoas? Desengane-se. Um estudo da ManPower Group revela que, se por um lado existem profissões que poderão entrar em desuso, a procura na Europa por capacidades humanas, sociais e emocionais vai aumentar 22% em todos os setores, até 2030.

Várias organizações, a nível mundial, revelam que estão cada vez mais a criar empregos onde as características humanas são cruciais, transferindo algumas tarefas para robôs. O número de empresas com intenções de contratar mais colaboradores devido ao impacto da tecnologia subiu de 83% para 87% nos últimos três anos.

A mesma análise acrescenta ainda que, 24% dessas organizações pretendem criar mais empregos nos próximos dois anos, 6% mais do que aquelas que não têm intenções de automatizar parte dos processos.

“A confiança nos processos de automação está a aumentar em todo o mundo: 35 dos 44 países em análise mostraram intenções de aumentar em vez de reduzir a força de trabalho. Isto só vem provar que os robôs estão a influenciar positivamente a produtividade, sendo cruciais para o crescimento das empresas”, afirma Rui Teixeira, managing director da Manpower Group Solutions, citado em comunicado.

Leia também: “Os robôs são já o presente e vão ser ainda mais o futuro”

Numa altura em que o mercado exige novas competências, Rui Teixeira salienta que “a digitalização veio para ficar”, pelo que é importante “influenciar os trabalhadores a encontrarem as competências certas e encorajá-los a adotar as novas tecnologias”.

O estudo “Human Wanted: Robots Need You” foi realizado em 44 países, incluíndo Portugal, junto de 19 mil empregadores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Outros conteúdos GMG
Automação pode ajudar a criar mais emprego a nível mundial