GESTÃO & RH

“Coaching tornou-se ferramenta de sucesso”

Magdalena Mook - CEO e Diretora da International Coach Federation
Magdalena Mook - CEO e Diretora da International Coach Federation

Diretora executiva da Federação Internacional de Coach desafia os líderes a experimentar o “poder transformador” do coaching.

Quando ouve a palavra coach é normal que pense no conceito de “treinador”. A verdade é que a origem do termo remonta a meados do século XVI, em referência aos cocheiros que conduziam os cavalos das carruagens que transportavam membros da realeza. Assim, tal como sugere o termo, o coaching tem como objetivo orientar e “ajudar a encontrar respostas”, melhorando o desempenho pessoal ou profissional. “Uma vez que a relação de coaching é uma relação de parceria, acreditamos que o cliente é um especialista na sua própria vida, e o coach é um especialista no processo que o ajuda a decidir como e o que quer fazer”, explica Madgalena Mook, diretora executiva da Federação Internacional de Coach, ao Dinheiro Vivo.

O coaching parece estar a crescer em Portugal e hoje há 73 profissionais certificados pela delegação ICF Portugal. A especialista norte-americana esteve em Lisboa na passada quarta-feira, onde apresentou os novos desafios do único programa independente que oferece credenciação de coaching a nível internacional e já certificou 25 mil profissionais.

No coaching, os clientes ou coachees, podem experienciar novas perspetivas e desafios que os ajudam a ter mais confiança nas suas decisões. O coaching “apoia-se exclusivamente numa visão de futuro, ao contrário da psicologia e da psicoterapia. No nosso caso não se trata de soluções, trata-se de objetivos”, refere Magdalena Mook.

“Há uma lacuna de quase seis anos entre a altura em que uma pessoa adquire a posição de liderança, e o momento em que está verdadeiramente preparada para executar o trabalho”, e neste período de transição o coaching poderá fazer a diferença, acredita a especialista. Por isso, também os millennials têm ajudado a mudar a mentalidade da profissão, demonstrando que o coaching não é exclusivo para líderes mais velhos. “Os jovens também procuram este tipo de acompanhamento profissional, seja porque chegam mais cedo a cargos de liderança ou porque investem em ferramentas para melhorar as suas capacidades. E o curioso é que os millennials procuram coaches da sua idade, que os entendam”.

Magdalena Mook acredita que o coaching vai integrar-se nas empresas e na esfera política, tornando-se cada vez mais institucionalizado. “O coaching tornou-se uma ferramenta para o sucesso e as pessoas orgulham-se de fazer esse investimento”. Magdalena Mook destaca a forte aceitação no Médio Oriente, África e Ásia-Pacífico. Para a diretora, a flexibilidade é fundamental para esta profissão. “Quando o coaching se integra numa comunidade da qual faz parte, a aceitação é quase imediata”.

Os maiores desafios dos próximos anos para o coaching serão a certificação e a aposta na regulamentação da profissão, que facilite a adaptação às exigências dos diferentes mercados, diz a diretora da Federação Internacional de Coach.

O coaching quer dar ferramentas, por isso não há um momento certo para o procurar. “O coaching pode apoiar o crescimento em qualquer momento de começo. Pode ser o facto de estar a ocupar uma posição de liderança pela primeira vez, ou apenas estar a mudar de profissão”. A especialista lança o desafio para os mais curiosos: “envolvam-se numa relação de coaching. Tenham uma conversa e vejam o seu poder transformador”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
“Coaching tornou-se ferramenta de sucesso”