Nova SBE

Como a Nova SBE está a mudar-nos

Nova SBE
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)
Nova SBE (PAULO SPRANGER/Global Imagens)

O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, e dois representantes de grupos de investidores privados da Nova SBE, Vasco de Mello (grupo Mello) e António Vieira Monteiro (Santander), explicam o impacto da universidade na comunidade e antecipam o que pode trazer ao país.

Carlos Carreiras

Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais
“É uma das boas parcerias público-privadas, não no sentido tradicional do termo mas no sentido de que entidades públicas e privadas podem criar imenso valor para o país se cooperarem. Sem preconceitos nem paroquialismos. Está no nosso ADN sermos inovadores e com a capacidade crítica instalada na Nova, acreditamos que esta nossa predisposição tende a aumentar ainda mais.

Para Cascais, a Nova SBE foi fundamental enquanto pontapé de saída numa nova era do nosso desenvolvimento e afirmação. Mudou estruturalmente o nosso modelo de desenvolvimento, que continua a passar por ser um destino turístico mas adicionou o conhecimento e o ensino superior como um dos mais importantes componentes do nosso produto interno. Ao trazer-nos a possibilidade de fazer algo absolutamente novo, esta escola mostrou que a comunidade é capaz de assumir os maiores desafios, imprimindo uma nova dinâmica económica que gerou mais emprego, mais empresas e mais valor para os cidadãos e para a comunidade.

Da Nova SBE saem ainda ideias que serão tentadas em novas políticas ou novos negócios, num ciclo virtuoso que acaba por ser muito positivo.”

Vieira Monteiro

António Vieira Monteiro, Santander
“Apoiámos o projeto por ser ambicioso, exigente e visionário na medida em que pretende colocar o seu campus e o país no mapa dos mais apetecíveis do mundo. Acreditamos que conseguirá formar e identificar profissionais de excelência e lhes permita singrar independente das suas condições de partida, e que possa contribuir de forma determinante para que este país seja economicamente mais competitivo e sustentável. Será difícil recrutar sempre os melhores num ambiente de maior concorrência. Terá sucesso se conseguir um lugar cimeiro nos rankings internacionais de escolas congéneres.

Três desejos para a escola? Que consiga crescer e afirmar-se como uma das melhores e mais dinâmicas do mundo; que aproveite a sua vocação global, para sublinhar o valor da língua e da cultura portuguesas – e aqui proponho à Nova SBE ser pioneira também na implementação de medidas que cumpram esse desígnio -; e que seja humilde e procure sempre inovar a sua oferta.

A promoção dos cruzamentos entre várias áreas do saber é capaz de trazer mais inovação, mais soluções e uma melhor preparação dos recém-licenciados para os desafios do futuro.”

Vasco de Mello

Vasco de Mello Grupo José de Mello
“É um projeto que cria valor para a sociedade. Quisemos associar-nos a um processo de criação permanente de conhecimento, essencial para melhor compreender as tendências de evolução e responder a desafios. Estamos muito satisfeitos em participar num modelo colaborativo que combina o ambiente e o propósito académicos com empresas, comunidades locais e cidadãos. A capacidade de se adaptar aos desafios da revolução digital, continuando a conseguir atrair e a reter excelentes alunos e professores é uma dificuldade, como o é conciliar os interesses de uma instituição pública com os dos doadores privados. Terá sucesso sendo uma referência internacional na produção de conhecimento e criação de parcerias que contribuam para a evolução da sociedade.

Trata-se de uma instituição aberta ao mundo, com implicações positivas para a abertura da economia portuguesa, e isso é muito relevante – além do que facilita o (muitas vezes difícil) acesso das empresas portuguesas a mais e melhor talento. As parcerias entre o meio empresarial e o meio académico são sempre vantajosas.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Como a Nova SBE está a mudar-nos