Como passar os primeiros dez minutos do seu dia? Siga o exemplo de um superchef

ng3420558

Se estivesse a trabalhar na cozinha de Anthony Bourdain, lendário chef da Brasserie Les Halles, autor de best-sellers e personalidade famosa da televisão, não se atreveria nem a ferver água sem cumprir um ritual essencial para qualquer chef digno desse nome: a mise-en-place.

A “Meez,” como lhe chamam os profissionais, traduz-se por “tudo no seu lugar”. Na prática, envolve estudar uma receita, pensar nos instrumentos e equipamento de que vai precisar e reunir os ingredientes na proporção certa antes de começar. É a fase de planeamento de todas as refeições, o momento em que os chefs avaliam a totalidade do que pretendem alcançar e criam um plano de ação para a refeição.

Para um chef experiente, a mise-en-place representa mais do que uma prática pitoresca ou uma técnica de poupança de tempo: é um estado de espírito.

“Mise-en-place é a religião de todos os cozinheiros de primeira categoria”, escreve Bourdain no seu bestseller Kitchen Confidential. “Enquanto cozinheiro, o seu local de trabalho, as suas condições e preparação, são uma extensão do seu sistema nervoso… O universo está em ordem quando o seu local de trabalho está preparado…”

Chefs como Anthony Bourdain há muito consideram que, quando se trata de cozinha excecional, o ingrediente mais importante de qualquer prato é o planeamento. É a “Meez” que obriga Bourdain a pensar antecipadamente, que lhe evita a distração de procurar itens a meio do processo e que lhe permite canalizar toda a sua atenção para o prato que tem diante de si.

A maioria de nós não trabalha em cozinhas. Não interagimos com ingredientes que têm de ser reunidos, preparados ou medidos. E, contudo, o valor de aplicar uma abordagem similar e tirar tempo para planear antes de começar, é indiscutível.

Qual é a primeira coisa que faz quando chega à sua secretária? Para muitos de nós, verificar o email ou ouvir as mensagens de voz é quase automático. Sob muitos aspetos, estas são das piores maneiras de começar um dia. Ambas as atividades desviam a atenção e colocam-nos num modo reativo, onde as prioridades dos outros assumem o papel central. São o equivalente a entrar numa cozinha e procurar alguma coisa entornada para limpar ou uma panela para esfregar.

É melhor começar o seu dia com uma breve sessão de planeamento, como uma mise-en-place intelectual. Bourdain visualiza a execução perfeita antes de começar o seu prato. Faça a si mesmo esta pergunta no momento em que se sentar à secretária: o dia está terminado e estou a sair do escritório com uma tremenda sensação de dever cumprido. Que terei feito?

Este exercício é, normalmente, eficaz para ajudar as pessoas a distinguir entre tarefas que simplesmente parecem urgentes das que são verdadeiramente importantes. Use-o para determinar em que atividades pretende concentrar a sua energia.

Depois – e isto é importante -, crie um plano de ataque decompondo tarefas complexas em acções específicas.

David Allen, guru da produtividade, recomenda que se comece cada item da nossa lista com um verbo, o que é útil porque torna as nossas intenções concretas. Por exemplo, em vez de escrever “Apresentação de segunda-feira”, identifique cada item de ação necessário para criar a apresentação. Poderá ser assim: coligir números de vendas, fazer slides e incorporar imagens.

Os estudos demonstram que, quando se trata de objetivos, quanto mais específico for acerca do que está a tentar concretizar, maiores são as suas hipóteses de sucesso. Ter todos os passos registados antecipadamente também minimizará mais tarde o pensamento complexo e torna menos provável a procrastinação.

Finalmente, atribua prioridades aos itens da sua lista. Sempre que possível, comece o seu dia com as tarefas que exigem mais energia mental. As pesquisas demonstram que temos menos força de vontade à medida que o dia progride, pelo que é melhor tratar dos itens mais complicados – particularmente os que exigem concentração e agilidade mental – o mais cedo possível.

O exercício completo pode tomar-lhe menos de dez minutos e, contudo, é uma prática que produz dividendos significativos ao longo de todo o dia.

Ao começar todas as manhãs com uma mini-sessão de planeamento, enfrentará as decisões importantes num momento em que a sua mente está fresca. Também se aperceberá de que ter uma lista de itens concretos de ação (em vez de uma lista de objetivos amplos) é especialmente valioso mais tarde, quando a fadiga do dia se instalar e for difícil atingir o pensamento complexo.

Desta forma, já não precisa de parar e pensar em cada passo. Em vez disso, como um master chef, pode devotar toda a sua atenção à execução.

Ron Friedman, Ph.D., é fundador da ignite80, consultora que ajuda líderes executivos a contruírem organizações dinâmicas e autor de The Best Place to Work: The Art and Science of Creating an Extraordinary Workplace.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Como passar os primeiros dez minutos do seu dia? Siga o exemplo de um superchef