Despedimentos

Conserveira South Atlantic despede meia centena de trabalhadores em Peniche

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

A fábrica de conservas de Peniche South Atlantic, do grupo Cofaco, despediu cerca de meia centena de trabalhadores.

A fábrica de conservas de Peniche South Atlantic, do grupo Cofaco, despediu cerca de meia centena de trabalhadores, denunciou hoje o sindicato, que admite queixar-se à Comissão Europeia e ao Ministério da Economia.

Mariana Rocha, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), afirmou à agência Lusa que a fábrica “está a despedir trabalhadores”, estando reduzida a 10 operários dos 60 com que iniciou a laboração em maio de 2016, no distrito de Leiria.

O vínculo laboral terminou na sexta-feira para os últimos trabalhadores a receber cartas de rescisão.

Contactada pela agência Lusa, a empresa não prestou quaisquer esclarecimentos até agora.

“Os trabalhadores que lá se mantêm estão sem trabalho, pelo que a empresa fica praticamente inativa, e não há motivo para uma empresa nova estar sem laborar e sem produzir”, acrescentou a dirigente sindical.

O SINTAB admite avançar com uma queixa ao Ministério da Economia e à Comissão Europeia contra a empresa, que em 2015 recebeu 2,9 milhões de euros de fundos comunitários do Programa Operacional das Pescas PROMAR (2007-2013).

A nova fábrica, um investimento de sete milhões de euros, veio a ser inaugurada em maio de 2016.

“A empresa tem de estar a laborar durante cinco anos, mas, estando a despedir trabalhadores e sem laborar, poderá ter de devolver o dinheiro do financiamento”, alertou Mariana Rocha.

O SINTAB teme que o grupo Cofaco avance em Peniche para uma estratégia idêntica à que adotou na Figueira da Foz ou no Algarve, com a venda de fábricas a outros acionistas.

“É um bom negócio receber 50% de fundos comunitários para o investimento e, depois, vender e receber o dobro do que investiu e, sendo instalações novas, o negócio é apetecível para qualquer investidor”, frisou a dirigente.

No último trimestre de 2017, a empresa despediu também cerca de meia centena de trabalhadores, cujas cartas de despedimento chegaram ao conhecimento do sindicato, a quem os despedidos recorreram para obter apoio judicial.

Contudo, voltou a admiti-los, sem que a maioria tenha chegado a acionar o subsídio de desemprego.

No início de janeiro, a Cofaco anunciou o despedimento da totalidade dos 160 trabalhadores na fábrica da ilha do Pico, nos Açores, e o encerramento da fábrica, prometendo a readmissão no futuro da maioria dos quadros.

A administração da empresa, detentora da marca Bom Petisco, comprometeu-se a integrar os trabalhadores numa nova unidade fabril que irá construir naquela ilha e que deverá estar ativa até janeiro de 2020.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Reformas. Governo quer normalizar pagamentos até ao final do ano

O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante um encontro com empresários a trabalhar em Angola, em Luanda, Angola. O primeiro-ministro termina esta terça-feira, uma visita oficial de dois dias a Angola, durante a qual procurará retomar rapidamente os níveis anteriores a 2014 nas relações económicas e normalizar os contactos bilaterais político-diplomáticos. (JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Costa: Portugal deseja mais empresas e investidores angolanos no país

Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman

Bruxelas suspeita de cartel alemão na tecnologia de emissões

Outros conteúdos GMG
Conserveira South Atlantic despede meia centena de trabalhadores em Peniche