Despedimentos

Conserveira South Atlantic despede meia centena de trabalhadores em Peniche

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

A fábrica de conservas de Peniche South Atlantic, do grupo Cofaco, despediu cerca de meia centena de trabalhadores.

A fábrica de conservas de Peniche South Atlantic, do grupo Cofaco, despediu cerca de meia centena de trabalhadores, denunciou hoje o sindicato, que admite queixar-se à Comissão Europeia e ao Ministério da Economia.

Mariana Rocha, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), afirmou à agência Lusa que a fábrica “está a despedir trabalhadores”, estando reduzida a 10 operários dos 60 com que iniciou a laboração em maio de 2016, no distrito de Leiria.

O vínculo laboral terminou na sexta-feira para os últimos trabalhadores a receber cartas de rescisão.

Contactada pela agência Lusa, a empresa não prestou quaisquer esclarecimentos até agora.

“Os trabalhadores que lá se mantêm estão sem trabalho, pelo que a empresa fica praticamente inativa, e não há motivo para uma empresa nova estar sem laborar e sem produzir”, acrescentou a dirigente sindical.

O SINTAB admite avançar com uma queixa ao Ministério da Economia e à Comissão Europeia contra a empresa, que em 2015 recebeu 2,9 milhões de euros de fundos comunitários do Programa Operacional das Pescas PROMAR (2007-2013).

A nova fábrica, um investimento de sete milhões de euros, veio a ser inaugurada em maio de 2016.

“A empresa tem de estar a laborar durante cinco anos, mas, estando a despedir trabalhadores e sem laborar, poderá ter de devolver o dinheiro do financiamento”, alertou Mariana Rocha.

O SINTAB teme que o grupo Cofaco avance em Peniche para uma estratégia idêntica à que adotou na Figueira da Foz ou no Algarve, com a venda de fábricas a outros acionistas.

“É um bom negócio receber 50% de fundos comunitários para o investimento e, depois, vender e receber o dobro do que investiu e, sendo instalações novas, o negócio é apetecível para qualquer investidor”, frisou a dirigente.

No último trimestre de 2017, a empresa despediu também cerca de meia centena de trabalhadores, cujas cartas de despedimento chegaram ao conhecimento do sindicato, a quem os despedidos recorreram para obter apoio judicial.

Contudo, voltou a admiti-los, sem que a maioria tenha chegado a acionar o subsídio de desemprego.

No início de janeiro, a Cofaco anunciou o despedimento da totalidade dos 160 trabalhadores na fábrica da ilha do Pico, nos Açores, e o encerramento da fábrica, prometendo a readmissão no futuro da maioria dos quadros.

A administração da empresa, detentora da marca Bom Petisco, comprometeu-se a integrar os trabalhadores numa nova unidade fabril que irá construir naquela ilha e que deverá estar ativa até janeiro de 2020.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Conserveira South Atlantic despede meia centena de trabalhadores em Peniche