Coworking. Atenção, empresários! Os resultados compensam

ng4803511

Parece haver algo de especial nos espaços de coworking. Estudando nós, há muito, a forma como os profissionais se desenvolvem e prosperam, ficámos surpreendidos ao descobrir que as pessoas em espaços de coworking atingem níveis médios de desenvolvimento que se aproximam do 6, numa escala de 7 pontos. É, pelo menos, 1 ponto acima da média para os profissionais que realizam o seu trabalho em escritórios tradicionais - um resultado tão invulgar que tivemos de confirmar os dados.

Os espaços de coworking são locais de trabalho comunitários, usados por diversos grupos de freelancers, trabalhadores à distância e outros profissionais independentes. O que os torna tão eficazes? Terão eles algumas lições a ensinar aos escritórios mais tradicionais?

Para o descobrir, entrevistámos vários fundadores de espaços de coworking e dirigentes comunitários, e inquirimos centenas de trabalhadores, de dezenas de espaços de coworking em todo o território dos Estados Unidos.

O nosso inquérito revelou três fatores importantes para o desenvolvimento e prosperidade dos profissionais:

1. As pessoas que usam os espaços de coworking veem o seu trabalho como algo que tem significado. Independentemente do género de trabalho que fizessem, os entrevistados afirmaram encontrar significado no facto de poderem ser eles próprios no local de trabalho. Algumas razões para isto:

Em primeiro lugar, ao contrário de um escritório tradicional, os espaços de coworking são compostos por pessoas que trabalham para uma série de empresas, empreendimentos e projetos diferentes. Havendo pouca concorrência direta e pouca política interna, eles não sentem ter de assumir uma personagem profissional para se ajustarem. Trabalhar no meio de pessoas que realizam diferentes tipos de trabalho também pode fortalecer a identidade profissional de cada um.

Em segundo lugar, o significado também pode advir de trabalhar numa cultura em que a entreajuda é norma e não faltam oportunidades para a praticar. A variedade de trabalhadores no espaço significa que existem conjuntos únicos de capacidades que podem ser oferecidos aos outros membros da comunidade.

O significado também pode vir de uma fonte mais concreta: a missão social inerente ao “Co-working Manifesto”, um documento online assinado por membros de mais de 1700 espaços deste género. O documento articula os valores da comunidade de coworking, incluindo comunidade, colaboração, aprendizagem e sustentabilidade. Estes valores são reforçados na Global Co-working UnConference, que se realiza uma vez por ano. Assim, em muitos casos, as pessoas sentem que não estão apenas a ir para o trabalho mas também a participar num movimento social.

2. Têm maior controlo sobre o seu trabalho. Os espaços de coworking estão normalmente acessíveis 24 horas por dia, sete dias por semana. As pessoas podem decidir se querem trabalhar muitas horas seguidas quando têm um prazo curto ou querem mostrar progresso, ou se preferem fazer um intervalo longo a meio do dia para ir ao ginásio. Podem escolher se querem trabalhar num local tranquilo, onde possam estar concentrados, ou num espaço de mais colaboração, com mesas partilhadas e onde se incentive a interação. Até podem decidir trabalhar em casa, se tiverem aí algum compromisso, sem quaisquer consequências.

Por outro lado, embora os co-workers valorizem esta autonomia, percebemos também que valorizam alguma forma de estruturação nas suas vidas profissionais. Relataram que ter uma comunidade no local de trabalho os ajuda a criar estrutura e disciplina, o que é motivador.

3. Sentem-se parte de uma comunidade. As conexões com os outros são uma razão importante para as pessoas pagarem para trabalhar num espaço comunitário em vez de trabalharem em casa gratuitamente ou alugarem um escritório incaracterístico. Cada espaço de coworking tem a sua própria vibração e os gestores de cada um deles esforçam-se por cultivar uma experiência única, que satisfaça as necessidades dos seus membros.

Nestes espaços de trabalho, sociabilizar não é obrigatório. Os membros podem escolher quando e como interagir com os outros. E, apesar de a nossa pesquisa ter mostrado que algumas pessoas interagem muito menos que outras, estas continuam a identificar-se fortemente com a comunidade.

Embora o movimento do coworking tenha tido origem entre freelancers, empreendedores e a indústria tecnológica, é cada vez mais relevante para uma maior gama de pessoas e organizações. De facto, o coworking pode tornar-se parte da estratégia da sua empresa e ajudar o seu pessoal e o seu negócio a prosperarem. Há cada vez mais empresas que o incorporam nas suas estratégias de negócio.

Em primeiro lugar, estão a ser usados como locais alternativos para as pessoas trabalharem. Michael Kenny, um dos sócios da Co-Merge, em San Diego, diz: “No último ano e meio, vimos um enorme aumento no uso do espaço por pessoas que trabalham em empresas. Assistimos à chegada de equipas para usar várias salas de reunião on-demand. Temos utilizadores de empresas globais, algumas com centenas, outras com milhares de empregados, que recorrem ao espaço, não só para conseguir que os seus empregados dispersos realizem trabalho produtivo, mas também para atrair empregados que requeiram espaços e horários de trabalho flexíveis”. Passar algum tempo fora do escritório, num espaço de coworking, também pode suscitar ideias novas.

Além disso, as lições dos espaços de coworking podem ser aplicadas aos escritórios corporativos. Tal como é importante incentivar a flexibilidade e apoiar a sua força de trabalho móvel, existe a igualmente importante responsabilidade de criar o tipo certo de ambiente dentro das suas paredes. E isto não significa apenas criar disposições abertas ou acrescentar um bar.

As pessoas precisam de desenvolver o seu trabalho de maneira que este lhes dê propósito e significado. Devem ter controlo e flexibilidade no seu ambiente de trabalho.

As empresas também estão a tentar permitir mais conexões, a ajudar as pessoas a interagir e construírem laços comunitários que vão além dos encontros de trabalho. Os espaços de coworking são o lugar ideal para obter orientação, pois oferecem eventos regulares de networking, programas de formação, eventos sociais e até campos de verão.

A nossa pesquisa sugere que a combinação de um ambiente e de uma experiência de trabalho bem concebidos é uma das razões pelas quais as pessoas que trabalham em sistema de coworking prosperam mais do que quem está nos escritórios. Porém, o que é mais importante para obter altos níveis de desenvolvimento e prosperidade é o facto de estas pessoas terem uma autonomia substancial e poderem ser elas próprias no trabalho. O nosso conselho às empresas tradicionais que querem aprender com o coworking, é que deem às pessoas o espaço e o apoio para que elas sejam a melhor versão de si próprias. O resultado será ter empregados mais comprometidos com a organização e com mais probabilidade de todos os dias levarem para o escritório a sua melhor energia e ideias, mesmo que seja um escritório tradicional.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A Poveira, conserveira. Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens

Procura de bens essenciais dispara e fábricas reforçam produção ao limite

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

Quase 32 mil empresas recorrem ao lay-off. 552 mil trabalhadores em casa

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

266 mortos e 10 524 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Coworking. Atenção, empresários! Os resultados compensam