crónicas de uma desempregada

Crónicas de uma Desempregada: Pela minha professora preferida

ng3134367

Estranhámos o dia em que não veio. Nunca faltava e era dia de entregar os últimos testes. A professora de sociologia não era simpática, não sorria muito, mas era uma mulher justa, constante e sabia cativar quase três dezenas de adolescentes ensonados. A professora de sociologia era a minha professora preferida, por me ensinar as coisas que mais gostei de aprender e porque, num momento difícil dos meus 17 anos, teve um papel importantíssimo na minha vida.

Estranhámos o dia em que não veio. Estranhámos os testes que nunca nos foram entregues e estranhámos mais ainda que, apesar da ausência, as notas de sociologia estivessem afixadas na pauta num dia quente de verão. Fomos informados nessa mesma tarde que a nossa professora de sociologia se tinha suicidado. Antes de se matar a professora de sociologia corrigiu os teste e deu as notas.

Guardo a professora de sociologia nas minhas memórias com uma dor imensa por nunca lhe ter agradecido aquilo que representou na minha vida. Felizmente, há outros, a quem pude dizer como foram importantes.

Arrisco dizer que me lembro de todos os meus professores: os chatos, os fixes, os intelectuais, os divertidos, os que nunca se enganavam e os distraídos, os que faziam parte da mobília e os estagiários. Foram, todos eles, uns mais que outros, fundamentais na minha vida.

Sei quanto ganham os professores, sei as horas que trabalham. Cresci no corredores de uma escola, entre fórmulas de Física, enquanto esperava pelo fim das reuniões, sentada à porta do gabinete onde a minha mãe tirava dúvidas aos alunos. Sabia que na luz acesa pela noite fora estava a minha mãe a corrigir testes. Zanguei-me muitas vezes pelas ausência da minha mãe: “ainda está na escola”. Mas zango-me muito mais com aquilo que a minha mãe ganha depois de mais de 40 anos de trabalho.

As lutas fazem-se nos dias em que têm impacto, assim como o senhor primeiro-ministro escolhe as oito da noite para discursar à Nação, não querendo com isso prejudicar todos os que alteram os seus horários para acompanhar o acontecimento, mas porque a abertura dos telejornais tem impacto.

Não conhecem os professores os governantes que os acusam de marcar uma greve para prejudicar os alunos. Não conhecem os professores os governantes para quem investir no ensino é apenas brincar às leis e mudanças. Não conhecem os professores os governantes que, antes de fazerem contas e tomarem decisões, deviam voltar à escola. Por todos os professores, pela minha professora preferida, pela profissão da minha mãe, pelo ensino público e pelo país, que se faça a luta.

Jornalista e autora do blog Dias de uma Princesa

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Paulo Spranger/Global Imagens)

Depois de pagar a renda sobram 450 euros ao salário dos lisboetas

(Paulo Spranger/Global Imagens)

Depois de pagar a renda sobram 450 euros ao salário dos lisboetas

Aptoide | Paulo Trezentos | Álvaro Pinto

Portuguesa Aptoide já negoceia com Huawei para ser alternativa à Google

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Crónicas de uma Desempregada: Pela minha professora preferida