Educação

Cursos MBA são cada vez menos procurados

© Natalie Keyssar for Harvard Business School 2013
© Natalie Keyssar for Harvard Business School 2013

Economia, preços dos cursos e até a retórica anti-imigração poderá estar a afastar alunos

A procura por um MBA está a diminuir e a preocupar algumas das principais universidades nos Estados Unidos. Num ano houve menos 3400 inscritos e a tendência é que continue a descer. A situação é tão negativa, que muitos reitores já consideram bom se conseguirem manter o número de inscrições, não pensando sequer em tentar aumentar novamente os alunos.

Foi o segundo ano consecutivo de quebra, segundo a Forbes, com 53 907 inscritos contra os 57 311 de há um ano. Harvard, por exemplo, caiu 4,5% e Stanford 4,6%, mas há universidades com quebras maiores. “Tenho ouvido que algumas escolas do top dez estão com duplo dígitos [de quebra] e penso que será pior do que no ano passado”, salientou à revista o reitor da escola de negócios da Universidade de Duke. Na Wharton, na Universidade de Pensilvânia, em 2017 estiveram inscritos para tirar um MBA 6692 alunos e em 2019 o número não chegou aos seis mil, algo que não acontecia há seis anos: 5905.

“A piada [que se diz] entre os reitores é que ‘manter é a nova subida’. Se conseguirmos manter os nossos números, é um feito incrível”, salientou o reitor da escola de negócios da Universidade de Rochester. Andrew Ainslie diz mesmo que sente que é necessário fazer três ofertas para conseguir ter um aluno inscrito: “Quando se chega a isto, significa que se está a fazer ofertas a basicamente toda a gente.” Ainslie acredita que nos próximos anos 10 a 20% dos principais programas de MBA do país vão acabar.

Quanto a razões para este declínio na procura de MBA, a Forbes escreve que os reitores consideram que dada a economia americana, as pessoas estão a manter-se nos seus empregos – tirar um MBA a tempo inteiro pode implicar deixar de trabalhar durante um ou dois anos -, mas também há a incerteza quanto aos visas para os estudantes, que poderão estar receosos em viajar para os Estados Unidos dada a retórica anti-imigração. E sem esquecer o elevado custo de um MBA, que na maior parte das universidades fica acima dos cem mil dólares. Na Europa os preços são um pouco mais baixos, mas ainda assim, na London Business School, por exemplo, custa mais de 90 mil euros.

Por outro lado, a diminuição de alunos com MBA está a permitir que os que o concluem não estejam a ter problemas em encontrar emprego e com ordenados iniciais a bater recordes, segundo a Forbes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto:  EPA/ANDY RAIN

Sem acordo pós-brexit, Portugal pode exportar menos cerca de 300 milhões

marcelo

Marcelo admite possível “problema europeu” mas sem fecho de fronteiras

Foto: D.R.

PSI20 cai 2,28%. Perdas na Europa continuam devido ao coronavírus

Cursos MBA são cada vez menos procurados