Falar como um TED: O powerpoint morreu. Que comecem os treinos para ator

Carmine Gallo
Carmine Gallo

“Passei grande parte da minha carreira em prisões, em
corredores da morte.” É assim que começa a TED Talk que teve a
maior ovação de sempre (veja o vídeo aqui). O autor, Bryan Stevenson , advogado
americano especializado em direitos humanos, explicava a relação
entre a pobreza e a justiça – ou a falta dela. Chato, não é? Dá
vontade de virar a página já. Mas a forma como Stevenson fala
prende–nos até ao último dos 23 minutos da apresentação. O
segredo? Um discurso organizado em três simples pontos: 1. enumerar
factos; 2. contar uma história pessoal; 3. revelar algo de
surpreendente.

Na verdade, não é grande segredo. Mas qual foi a última vez que
usou esta estratégia para convencer um cliente a comprar um produto?
Ou para explicar, numa entrevista de emprego, porque é que aquela
empresa precisava de si?

Veja aqui as 20 TED mais vistas de sempre

“As técnicas que os melhores oradores da TED usam para inspirar
quem os ouve podem ser usadas a todo o momento”, explica, em
entrevista ao Dinheiro Vivo, Carmine Gallo, treinador comunicacional
que – posto de uma maneira simples – ensina empresários, gestores e
outros profissionais de topo a vender-se. “Numa entrevista de
trabalho, por exemplo, contar histórias pessoais que reflitam a sua
experiência ajuda a criar uma ligação emocional com o
entrevistador. As boas TED Talks contam histórias.”

Em Talk Like TED: The 9 Public-Speaking Secrets of the World”s
Top Minds, que será publicado nos Estados Unidos a 4 de março (a
Amazon já aceita encomendas
), Carmine Gallo explica precisamente o
que podemos aprender com as TED Talks e como essas lições podem
ajudar-nos a evoluir na carreira.

Veja aqui a TED Talk que o TED não quis ouvir

“Mesmo que não queira, a sua próxima apresentação – seja uma
entrevista de trabalho, uma reunião no escritório ou um encontro
com um cliente – será sempre comparada com uma TED Talk.”

Conseguir passar uma ideia através de uma história, dando-lhe um
tom de conversa apesar de ser só você a falar, é o que torna as
TED Talks tão interessantes. Trazer essa fórmula para o mundo real
significa ser capaz de realmente fazer-se ouvir.

Não é preciso tornar-se um encantador de serpentes

Lembro-me de a minha mãe me dar uma seca monumental sobre boas
maneiras, tinha eu 6 ou 7 anos, quando descobriu que eu nem “bom
dia” dizia ao porteiro. E de se arrepender na vez seguinte em que
entrou no prédio comigo e eu fui pregar um beijo em cada bochecha do
senhor. Com a idade, percebi que não era preciso abraçar toda a
gente, nem sequer gostar de toda a gente com quem tinha de
relacionar-me, mas que era importante respeitar as pessoas. Sabia que
74% das pessoas não sabem sequer o nome de toda a gente com quem
trabalham?

Confesso que inventei a estatística, mas a mensagem passou
certamente melhor do que se eu usasse mesmo metade das linhas para
explicar que os recursos humanos são o elemento mais importante da
sua empresa.

É isto que explica Carmine Gallo, autor de best-sellers como The
Presentation Secrets of Steve Jobs ou Fire Them Up – 7 Simple Secrets
to Ispire Collegues, Costumers and Clients, guru de gestores de topo
como John Compton, ex-CEO da Pepsico ou Eli Harari, fundador da
tecnológica SanDisk, e “keynote speaker das marcas mais admiradas
do mundo”, como descreve a Forbes. Se quer fazer-se ouvir, precisa
de adquirir alguns dotes de ator e de perder o medo do palco.

“As TED são vistas mais de dois milhões de vezes por dia e são
uma forma nova refrescante e ousada de fazer apresentações. É com
isso que vão compará-lo. Se insistir sempre no powerpoint chato não
se vai destacar”, explica ao Dinheiro Vivo.

Claro que é preciso pensar na maneira como vai contar uma
história diferente de forma a entusiasmar quem o ouve. “Quando faz
uma apresentação, deve tentar resumi-la aos pontos essenciais, as
três coisas que quer que realmente sejam ouvidas e recordadas.
Enumerar e simplificar a mensagem torna mais fácil aos outros fixar
aquilo que diz.”

É por isso que Carmine Gallo promete os “9 segredos para falar
em público” – e não “tudo o que precisa de saber” ou “meia
dúzia de conselhos que o podem ajudar”.

No fundo, o verdadeiro segredo não é concentrar-se no que tem
para dizer mas naquilo que quem está a ouvir consegue aguentar e
reter. As conferências TED são uma fórmula simples: uma pessoa, um
palco, 18 minutos para passar a mensagem – segundo o curador da TED,
Chris Anderson, “é tempo suficiente para uma apresentação a
sério e curto o suficiente para as pessoas se manterem focadas”.

O foco está naquilo que diz e na forma como o diz. Se falar de
mãos nos bolsos ou de braços cruzados, num tom monocórdico e de
olhos no chão, a sala esvazia-se antes de acabar a primeira frase.
“O mesmo vale para uma entrevista de trabalho ou qualquer
apresentação que tenha de fazer.” É por isso que a linguagem
corporal conta tanto. Pontuar o discurso com gestos que lhe deem
força é importante, “mas tem de ser autêntico. Não tente ser o
que não é”, diz Carmine Gallo.

E depois há o sentido de humor…

O humor é um elemento fundamental mas tem de aprender a usá-lo.
Se a primeira frase que dirigir ao seu entrevistador for uma piada,
por muita graça que tenha, é pouco provável que saia da entrevista
com um emprego. “Mas o humor é muito importante. Contar um
episódio engraçado sobre alguma coisa que lhe aconteceu” pode
aligeirar o ambiente e ajudar a criar uma ligação com as pessoas
que o escutam. “Não se esforce por conseguir uma gargalhada; é
preferível um sorriso.”

Em We Need to Talk About an Injustice, Bryan Stevenson consegue-o
várias vezes. “É a minha TED Talk preferida. Ele simplesmente
conta três histórias, mas a sua forma de falar e a linguagem
corporal são naturais, sem esforço. É notável”, diz o treinador
comunicacional.

E quais são, afinal, os nove truques para falar em público e
parecer um génio? De uma forma muito resumida: 1. Abordar o tema de
forma apaixonada; 2. Moldar o discurso como uma conversa; 3. Criar
uma ligação com o público contando histórias pessoais; 4. Revelar
factos que ninguém sabe; 5. Usar frases que surpreendam; 6. Usar
humor; 7. Ser breve e estruturado; 8. Usar expressões visuais que
criem imagens na cabeça do público; 9. Ser sincero e autêntico.

Retrato

TED significa Technology, Entertainment, Design: as três palavras
que serviram de base à conferência que em 1984 deu origem a uma
organização sem fins lucrativos criada para “espalhar boas
ideias”. O desafio que se propõe é fazer a apresentação da sua
vida em 18 minutos ou menos. Todos os dias, em média, de dois
milhões de pessoas assistem a uma TED Talk.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Falar como um TED: O powerpoint morreu. Que comecem os treinos para ator