Hollywood

Os mais bem pagos do cinema. Hollywood não escapa à discriminação salarial

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A revista Forbes revela que as três atrizes mais bem pagas de Hollywood não auferem sequer o mesmo que o décimo ator que mais recebe

A Forbes fez uma atualização aos índices remuneratórios das maiores estrelas de Hollywood e Bollywood no último ano.

A maior surpresa da lista não vai, no entanto, para quem ocupa – e por quanto – o pódio, mas sim pela discrepância de valores de vencimento que ambos os sexos auferiram: Emma Stone, Jennifer Anniston ou Jennifer Lawrence, as três mais bem pagas, não ganham sequer o mesmo que o décimo ator que mais recebe no mundo (e que nem trabalha em Hollywood).

Veja-se, por exemplo, o caso concreto de Emma Stone, que, mesmo tendo ganho um Óscar e protagonizado o filme mais premiado do ano passado (La La Land), ganhou pouco mais de metade que Mark Wahlberg, o ator mais bem pago entre 2016 e 2017.

Confira, na galeria acima, quanto ganham os atores e atrizes mais valiosos da atualidade, e veja a diferença entre homens e mulheres.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Os mais bem pagos do cinema. Hollywood não escapa à discriminação salarial