Itália: Mais velhos ensinam estagiários

ng3094069

Itália prepara-se para aplicar um
plano original para atacar o desemprego. O governo Enrico Letta quer
reduzir o horário dos trabalhadores mais velhos e colocá-los a
ensinar colegas mais jovens, que ao fim de um período os passarão a substituir. A ideia é criar uma “transferência
geracional”que permita abrir vagas ao mesmo tempo que se prepara a
saída de pessoas cuja idade ou tempo de trabalho já vai avançada.

Enrico Giovannini, ministro da Economia
italiano e impulsionador deste regime, não esquece que o “o plano
é caro”, uma vez que vai exigir o pagamento de novas pensões,
não havendo criação direta de emprego, mas sim uma substituição
dos ocupantes dos postos, mas acredita que “é possível” atacar
os números por esta via, e até já conta com o apoio de várias
uniões sindicais italianas.

O que está em causa? Que uma pessoa
perto da idade da reforma possa trabalhar metade do tempo e receber
metade do salário tendo as suas funções completadas pelo trabalho
de alguém mais jovem. Estes ‘ajudantes’ seriam contratados a um
preço menor, mas as regalias dos antigos trabalhadores não sairiam
prejudicadas já que manterias todas as contribuições normais, não
sendo prejudicados na contabilização para a reforma, ainda que
fosse o Estado a pagar o valor remanescente e não as empresas, como escreve hoje o The Wall Street Journal.

À semelhança de Portugal, Espanha ou
Grécia, Itália também apresenta níveis de desemprego muito
elevados: 38,4% dos jovens não têm emprego e a sua maioria são
pessoas altamente qualificadas cujas empresas do país não têm
capacidade para absorver. Este plano, que já foi aprovado no
Parlamento italiano, terá capacidade para integrar 500 mil jovens,
que ao fim de cinco anos poderão ver o posto tornar-se definitivo. O
custo estimado para o Estado italiano é de cerca de mil milhões de
euros ao ano.

Para que o projeto possa arrancar em
pleno, o governo italiano terá, agora, de implementar um conjunto de
medidas, que incentivem as empresas a optar por este modelo. Em causa
poderão estar pequenas alterações à lei que facilitem a
contratação temporária de trabalhadores e a renovação dos seus
contratos e a entrega de suplementos salariais para trabalhadores em
licença.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Itália: Mais velhos ensinam estagiários