Carreiras

Milionário de 92 anos dá-lhe razões para nunca se reformar

170724-billionaire-joe-segal-not-retiring
Joe Segal Fotografia: Kingswood Corporation

Para Joseph Segal garante que ter dito 'não' à reforma foi a melhor escolha que fez na vida.

Joseph Segal, multimilionário canadiano, construiu fortuna através dos investimentos feitos nas áreas do retalho e imobiliário. Pelo caminho, diz terem sido poucas as escolhas de que se arrependeu. Por sinal, de todas as decisões de que mais se orgulha, nunca se ter reformado foi a melhor.

Numa entrevista ao The Globe and Mail, o empresário de 92 anos aconselha a que ninguém ceda à paz da reforma, garantindo que “nunca deixou de ter boas ideias de negócio com o passar da idade, mesmo depois dos 65 anos”.

“A vida é como uma viagem de avião. Quando és novo estás em ascensão. Entre os 40 e os 70 anos estás em ‘modo cruzeiro’. Mas, a dada altura, começas a entrar em queda. Eu estou em queda mas não deixo de tentar combater isso”, afirma Segal.

O canadiano enfatiza a ideia de que é crucial para os empresários – independentemente da idade – estarem abertos a novas ideias e formas de trabalhar, porque só assim vão conseguir “estar à frente da concorrência”.

O histórico profissional de Segal começou quando ainda era o dono da empresa Fields que, na sequência de várias negociações, acabou por ser vendida à Hudson’s Bay Company, tornando-se na maior cadeia de retalho do Canadá. Hoje, ele é dono da Kingswood Capital, empresa de private equity, especializada nas áreas de produção industrial e imobiliário, que fundou juntamente com a família.

Contudo, a sabedoria do empresário continua a ser sobre o mundo do retalho e, quanto ao possível negócio entre a Whole Foods (rede de supermercados multinacional dos Estados Unidos) e a Amazon, Segal diz ser um “exemplo” de como a sociedade contemporânea está em constante mutação, lição que aprendeu com venda da sua primeira empresa.

“Se não mudarmos com o tempo, acabamos estáticos. Se ficarmos estáticos, morremos. O ambiente muda e a maneira de fazer negócios também. Os próprios consumidores mudam a maneira como fazem compras e nós temos de estar preparados para isso”, explica.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
lisboa

Balcão dos despejos recebeu 294 pedidos por mês. São menos 44 do que em 2017

www.dinheirovivo.ptcombustiveis-7-1-1bb026ceb7a816266a2de2967749df8fd8ec068c-34e8f5d94c782fb8aeedef4aac66cd8f0db5ac96

Combustíveis descem há seis semanas, mas estão mais caros do que em janeiro

Tomás Correia, preside a Associação Mutualista Montepio, dona do Caixa Económica

Tomás Correia. Entrada da Santa Casa fica fechada “em menos de 30 dias”

Outros conteúdos GMG
Milionário de 92 anos dá-lhe razões para nunca se reformar